| em 20 fevereiro 2010

Amenorréia: o que fazer quando a menstruação para?

É raro encontrar uma mulher que não se incomode com a menstruação, mas quando atrasa o desconforto costuma dar lugar ao pânico

Muitas acreditam que a falha do ciclo menstrual ou até mesmo o atraso por alguns dias significa que há algo de errado com a saúde de seu corpo. Correto. Eventualmente, esse quadro pode indicar problemas no organismo ou uma gravidez indesejada.

A ausência regular de menstruação é chamada de amenorréia. Ela é classificada em duas categorias: primária e secundária. "O primeiro caso é aquele em que a mulher nunca menstruou, geralmente detectada após os 14 anos. No segundo episódio, mais comum, a mulher apresenta carência de menstruação durante três meses consecutivos ou mais", explica a ginecologista Elaine Vieira.

Segundo a médica, 10% das mulheres apresentam amenorréia secundária. No entanto, muitas confundem pequenos atrasos da menstruação com o problema. "É normal ter até três ciclos menstruais irregulares ao ano. Isso não é doença", tranqüiliza

Elaine. Entretanto, quando a falha ultrapassa os três meses, é importante que a mulher procure o médico e faça alguns exames diagnósticos.

"Dietas bruscas, rápida perda de peso e a ingestão de hormônios também podem desencadear a doença"

Foi o que aconteceu com a professora, Julia Ferreira, 28 anos. "Minha menstruação atrasou cinco meses, eu pensei que estava grávida. Consultei um médico e descobri que estava com amenorréia", conta a professora.

O pensamento inicial de quase todas as mulheres é a gravidez.

Essa seria a causa mais simples. No entanto, outros agravantes podem estar relacionados à amenorréia. "A falha pode estar ligada ao estresse, menopausa precoce, desvios hormonais e disfunções ovarianas - uma das mais comuns é a síndrome de ovários policísticos, isto é, pequenos cistos no ovário - e distúrbios da hipófise (glândula cerebral responsável pela prolactina, substância produtora do leite materno). Deve-se, portanto, entender a amenorréia não como uma doença, mas um sintoma, um sinal de algum problema que deve ser descoberto", esclarece a ginecologista.

A amenorréia apresenta com mais freqüência em mulheres que praticam exercícios físicos excessivos. "Dietas bruscas, rápida perda de peso e a ingestão de hormônios masculinos (a androgenização) também podem desencadear a doença", alerta a médica.

Já a amenorréia primaria é menos comum. A menina pode apresentar a agenesia gonadal (ausência de ovários), síndrome de pseudo-hermafroditismo ou o hímen imperfurado. "Neste último caso, chamado de ?falsa amenorréia?, a mulher menstrua, mas o sangue fica dentro da vagina e do útero, pois não consegue sair. Fisiologicamente, isso não lhe causa mal, mas muita dor", explica Vieira.

Os sintomas são complexos. Dependendo do problema da paciente, as cirurgias, como no hímen imperfurado, são as mais indicadas. "Em muitos casos, porém, não há tratamento", lamenta a ginecologista. Isso não quer dizer que as causas da amenorréia sejam insolúveis. "No pseudo-hermafroditismo, por exemplo, o motivo pode ser solucionado, sem, contudo, conseguir o início do ciclo menstrual - em outras palavras, a mulher permanecerá infértil", afirma a médica.

Já na amenorréia secundária é muito mais simples. O tratamento varia conforme o desejo da paciente. "Além da orientação psicológica, nos casos de estresse, pode ser feito tratamento com hormônios, para induzir a ovulação e possibilitar a gravidez. Cirurgias, nesse caso, são menos freqüentes", diz Vieira.

A ginecologista lembra que antes de qualquer tratamento são necessários exames de avaliação hormonal, ultra-sonografias variadas e, eventualmente, tomografias cerebrais, quando o médico desconfiar de que a causa está vinculada a problemas no sistema nervoso central. "O importante é não se amedrontar", aconselha a médica.


Fonte: Cyber Diet



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):