| em 30 março 2010

Tirar bebê do berço no meio da noite pode prejudicar o sono de toda a família

Estudo revela que hábito pode fazer com que a criança se acostume a não dormir a noite inteira

Nem sempre tirar o bebê do berço quando ele começa a chorar é o melhor caminho para que ele volte a dormir. A conclusão é de um estudo feito por médicos israelenses publicado na revista Child Development. Segundo os pesquisadores, quanto mais os pais tentam fazer o filho dormir fora do berço para colocá-lo no local em seguida, pior será a qualidade do sono da criança durante os primeiros anos de vida.

O estudo acompanhou o sono de 85 famílias com filhos pequenos e identificou que, além do padrão de sono da família inteira sofrer alteração, os pais que pegam o bebê no colo toda vez que ele chora são mais ansiosos que aqueles que acreditam que o filho irá voltar a dormir sem interferências. Os pesquisadores também afirmam que bebês que recebem atenção demasiada dos pais, quando acordam no meio da noite, podem se tornar crianças que não dormem a noite inteira após um ano de idade.

Dentro da lista de hábitos que prejudicam a qualidade de sono do bebê e de toda a família, está a alimentação que não respeita horários e deixá-lo dormir na cama dos pais.? Quando o bebê chorar de madrugada, aguarde. Muitas vezes ele volta a dormir sozinho. Apenas em último caso vá ao seu quarto acalmá-lo. Evite levá-lo para dormir com você. Do contrário, ele repetirá o choro todas as noites?, explica a psicoterapeuta e especialistas do MinhaVida Evelyn Vinocur.

Segundo os pesquisadores, deixar de verificar se o bebê está bem não é o foco do estudo. Mas, como muitas vezes o bebê desperta simplesmente por se mexer ou sonhar, é preciso dar espaço para que ele volte a dormir sozinho.

Fonte: MinhaVida.Com.Br



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):