| em 29 abril 2010

A ética no namoro cristão

Atualmente, o mundo trata o namoro de forma banalizada, mas o cristão que busca uma vida correta diante de Deus deve entender que o namoro tanto pode ser uma benção como uma maldição. Para aquele que serve ao senhor, namoro é igual a compromisso. É a fase em que se conhece a pessoa com a qual se pretende casar.

A autora do livro "Melhor do que Comprar Sapatos", Cristiane Cardoso, destaca que a primeira coisa a ser aprendida acerca do namoro é que ele não existe apenas para que possam sair e se divertir.

"O namoro cristão não é muito diferente da vida cristã, pois ambos são diferentes de tudo o que há no mundo. Se uma pessoa cristã quiser namorar do mesmo jeito que costumava namorar no mundo, acabará caindo em pecado e, consequentemente, se sentirá longe de Deus", ressalta a escritora.

Veja algumas medidas de precaução para se tomar durante a fase do namoro:

1. Sempre namorem em locais públicos e durante o dia, pois assim é mais difícil dar vazão aos desejos da carne. Haverá tanta gente em volta que será praticamente impossível fazer algo de que se arrependam mais tarde. Vocês só conseguirão fazer aquilo que realmente devem: conversar!

2. Vista sempre roupas discretas e apropriadas, pois o seu corpo é tentador para o rapaz que está namorando. Se você revelar mais do que deve, será muito difícil para ele resistir aos maus pensamentos.

3. Evitem ir à casa um do outro quando ninguém estiver por perto, pois vocês se sentirão tentados a manter contato físico e acabarão caindo em pecado. Se não houver outro jeito, então evitem beijar e abraçar enquanto estiverem sozinhos - as tentações estão em toda parte!

4. Quando se abraçarem, evitem que seus corpos se toquem da cintura para baixo. Desta forma, vocês estarão evitando tocar em áreas extremamente perigosas.

Por Tatiana Alves

Fonte: Agência Unipress Internacional



Arquivado em | , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):