| em 08 maio 2010

Adão era imortal antes do pecado?

“O primeiro homem, Adão, era imortal antes do pecado? Ele teria sido criado imortal ou estava sujeito à morte desde a criação?”

Há três correntes interpretativas. A primeira é a da não imortalidade, a qual encontramos presente nos ensinos dos pelagianos e socinianos. Estes defendem que Adão foi criado mortal e não só np âmbito da possibilidade, mas o primeiro homem estava sujeito a morrer mesmo antes da Queda. Defendem eles que a morte biológica é natural para todo o vivente, de maneira que a vida corporal começa e deve acabar. Assim sendo, não compreendem a morte como um elemento punitivo, mas como um processo natural da existência humana.

Outra corrente é da imortalidade condicional. Entendem os teólogos que a defendem que o homem não possuía capacidade inerente de viver eternamente, mas não precisava ter morrido. Antes do pecado, a morte não era punitiva e era uma possibilidade, porém, após a Queda, a Árvore da Vida tornar-se inacessível ao homem (Gn 3.21), de modo que ele não mais pode ter acesso à vida eterna e, assim, a morte se torna algo inevitável.

A terceira corrente é a imortalidade absoluta, e é a qual integro, por estar mais coadunada ao ensino bíblico. Acerca da imortalidade adâmica, essa terceira corrente defende que o homem, em sua condição original, não estava sujeito à lei da morte. A defesa do posicionamento de uma imortalidade absoluta se deve pelas seguintes razões:

1) Analisando a doutrina da “Imago Dei” (imagem de Deus no homem), compreende-se que o Deus que não está sujeito às sementes da corrupção e mortalidade confere ao homem a ausência da morte como uma das expressões de sua imagem e semelhança. Assim sendo, o homem não leva dentro de si as sementes da morte física, mas, ao contrário, ele fora criado com o dom preternatural da imortalidade.

2) A penalidade de Gênesis 2.17: “No dia em que dela comerdes, certamente morrerás”. Há ainda a alusão de outros textos bíblicos, tais como Ezequiel 18.4, Romanos 6.23 e Efésios 2.1, que claramente fazem referencia à morte espiritual. Todavia, deve-se entender que a morte espiritual – a separação entre homem e Deus – traz em si a semente da morte biológica – separação entre corpo e alma. Por herança adâmica, a morte tem domínio sobre toda a humanidade, pois toda a humanidade nasce espiritualmente morta e fisicamente destinada a morrer (Rm 5.12). Por decorrência lógica, se não houvesse pecado, logo não haveria morte.

3) A morte física não é apresentada nas Escrituras como o resultado natural da continuação do estado original do homem, antes, sim, ela é uma inimiga da vida humana (1Co 15.26). O castigo sobre o homem (Gn 3.19), o qual explicitamente faz menção à morte física, se trata de uma condição nova e não de algo pertinente à fase antes da Queda. Assim, entende-se que a corrupção do corpo só é conhecida na Queda (1Co 15.22) e, por conseguinte, o homem fora criado para a imortalidade.

4) Em Cristo, em sua morte e ressurreição, os salvos obtêm sua plena redenção. No que se refere à redenção do corpo, significa que Cristo nos proporciona o direito à eternidade, por meio de nossa ressurreição e glorificação corpórea (1Co 15.51), a qual nos conferirá a restauração do estado de imortalidade que tinha o homem (Lc 20.36) e, conseqüentemente, o retorno absoluto ao estado original pré-Queda (1Jo 3.2, 3).

Partindo das justificativas supramencionadas, nós podemos crer que Deus criou Adão para imortalidade.

por Jesiel Paulino, professor de Teologia Exegética e Bíblia, diretor do Centro de Educação Teológica de Florianópolis.

Fonte: Jornal Mensageiro da Paz



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):