| em 01 maio 2010

Mãe, cuide enquanto há tempo

Rispa foi um exemplo de vigilância, mesmo depois da morte dos filhos


Durante o reinado de Davi, houve uma fome de três anos. Davi consultou ao Senhor, que lhe disse: A fome veio por causa de Saul e de sua família sanguinária, por terem matado os gibeonitas" (II Samuel 21.1) O relato bíblico que se segue parece um filme de terror: "Davi, chamando os gibeonitas, perguntou-lhes: Que quereis que vos faça? (?) De seus filhos se nos dêem sete homens, para que os enforquemos ao Senhor em Gibeá de Saul, o eleito do Senhor. Disse o rei: Eu os darei (...) Tomou o rei os dois filhos de Rispa, filha de Aiá, que tinha tido de Saul, a saber, a Armoni e Mefibosete, como também os cinco filhos de Merabe, filha de Saul (...) e os entregou na mão dos gibeonitas, os quais os enforcaram no monte, perante o Senhor (...) Então Rispa, filha de Aiá, tomou um pano de saco, e o estendeu para si sobre uma penha, desde o princípio da ceifa, até que sobre eles caiu água do céu; e não deixou as aves do céu pousar sobre eles de dia, nem os animais do campo de noite" (II Samuel 21.3-10).

O procedimento de Rispa - ficar velando os corpos mortos de seus filhos - impressionou até o Rei Davi (II Samuel 21.12-13). Esta provavelmente havia sido uma mãe dedicada, afetuosa, responsável, pois ficara vigiando seus filhos mortos para evitar o ataque das aves do céu e das feras do campo, dia e noite. Nenhum preço era alto demais, nada a desanimava. Ali ficou até que a chuva caiu e ela teve certeza de que a fome acabara.

Esta história lembra-nos sobre responsabilidades, deveres com nossas famílias, pais, igreja etc. Rispa velava mortos. Nós temos seres vivos, em formação - filhos que dependem de nós, do nosso exemplo, do nosso amor, do nosso ensinamento e da nossa disciplina para se tornarem homens e mulheres de Deus.

O que temos feito por eles? Quanto tempo gastamos com nossos filhos? Quanto tempo oramos por eles? Este amor não pode existir apenas quando o casamento deles foi por água abaixo, quando a filha ainda adolescente passa as noites fora de casa ou apresenta-se grávida, e nem só quando o filho se atola no pecado ou se torna mais uma vítima da Aids. Infelizmente, hoje em dia, encontramos em muito maior número estes pais que só acordam quando os filhos estão longe demais do lar, da igreja e de Deus.


Aves e animais

Porém, graças a Deus, há ainda mães e pais, que continuam orando, testemunhando, ensinando. Na certeza de que não estão sozinhos nesta tarefa, escoram-se no versículo que diz: "Ensina a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho, não se desviará dele" (Provérbios 22.6). Muitos recebem o fruto e têm o privilégio e a bênção de ter todos os filhos e netos caminhando com o Senhor.

Muitas vezes, porém, mesmo que os pais tenham feito tudo, o mundo e seus prazeres e enganos parecem mais fortes e poderosos para com muitos filhos. Creio que em nenhuma outra época da história humana os pais e os educadores cristãos precisaram tanto da intervenção sobrenatural de Deus para a formação de personalidades saudáveis como em nossos dias. É tremendo o peso da responsabilidade que pesa sobre os pais neste novo século.

Os pais cristãos sabem que, um dia, Deus pedirá contas daqueles que ele lhes concedeu. Educar segundo as Escrituras, conforme Deuteronômio 4.9, é o grande segredo: "Apenas tenham cuidado! Tenham muito cuidado para que vocês nunca se esqueçam das coisas que os seus olhos viram; conservem-nas por toda a sua vida na memória. Contem-nas a seus filhos e a seus netos." São muitos os pais que dormem e acordam sem saber onde estão seus filhos, não ligam sequer por onde e com quem andam, esquecendo-se de que "as feras, os animais do campo" podem tê-los atacado durante a noite. Rispa lembrou-se disso e ficou firme, de dia e de noite. Hoje, as aves de rapina podem ser os prazeres, os pecados, o sexo livre, bem como os ensinamentos permissivos transmitidos pela televisão, a falta de disciplina ou uma disciplina frouxa, sem amor.

Os animais podem ser a doutrina da Nova Era, as tentações do inimigo, as pressões do mundo moderno, as orgias, os vícios, as drogas, o alcoolismo e milhares de outras espécies de pecados a que nossos filhos estão expostos. São os "dias de fome, dias de seca" atuais, tão presentes para cada um de nós.


Bom alicerce

Educação formal, suprimento afetivo, alimentação, vestuário, entretenimentos, lazer - tudo isso é importante para uma boa formação. Porém, os pais precisam urgentemente redescobrir que sua maior tarefa e a maior herança é criar e educar os filhos alicerçados na Rocha, que é Jesus Cristo.

Para que esta missão seja cumprida, é necessário investir em livros cristãos, reuniões de oração, participação em atividades, congressos, encontros que os habilitem a melhor desenvolver o seu trabalho. A mãe cristã, além de dobrar seus joelhos, precisa usar de criatividade para criar um ambiente tão gostoso em casa que os filhos tragam seus amigos, e eles percebam a presença de Jesus. Rispa, uma mãe extremosa, pagou um alto preço por um grave erro praticado por seu marido Saul. Que Deus nos assista em nossa fraqueza, de forma que possamos ver a graça dele permeando nossos lares e fazendo com que nossos filhos andem em seus caminhos.

Maria Alyce Viana é esposa de Samuel Pimenta Viana, mãe de 4 filhos e avó de 2 netos. É membro da Igreja Presbiteriana do Brasil, de Alpinópolis, Minas Gerais.

Sugestão de leitura: Como orar por seus filhos, de Quin Sherrer (Vida)

"São muitos os pais que dormem e acordam sem saber onde estão seus filhos, esquecendo-se de que as 'feras do campo' podem atacá-los durante a noite" "São muitos os pais que dormem e acordam sem saber onde estão seus filhos, esquecendo-se de que as ?feras do campo? podem atacá-los durante a noite"

Por Maria Alyce Viana

Fonte: Lar Cristão



Arquivado em | , , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):