| em 14 maio 2010

O desejo por doces na TPM: Verdade ou Mito?

Que mulher nunca sofreu com os sintomas da TPM? Sabe aquela obsessão de devorar uma barra inteirinha de chocolate? Pois é, não se preocupe, o desejo por doces nessa época é comum, mas é preciso acalmar os ânimos.

Segundo o ginecologista Jorge Ferreira Neto, a Síndrome de Tensão Menstrual - mais conhecida por TPM ? acontece de cinco a 10 dias antes da menstruação. Por conta do desequilíbrio de hormônios, desencadeia uma série de sintomas como irritabilidade, retenção de líquidos, depressão e dores de cabeça.

A mudança de humor e o desejo por doces estão associados pela baixa hormonal e a diminuição da seretonina no organismo. A deficiência desse componente, além de gerar o mau humor, pode causar vontade de comer doces, pães e massas. "O açúcar realmente melhora o humor, mas aumenta o peso e estimula à diabetes. Para amenizar esses sintomas, recomenda-se que sejam feitas refeições pequenas e frequentes, à base de frutas - como maçãs, ameixas, bananas, cerejas e damasco seco", explica a médica ortomolecular, nutrologista, reumatologista e fisiatra - Sylvana Braga.

É importante lembrar que a TPM não tem cura, o jeito é buscar ajuda de especialistas para amenizar o problema. "Hoje contamos com anticoncepcionais de baixa dosagem que têm benefícios muito grandes. Também pode ser usado, com uso contínuo, o ácido gamalinoleico, que é extraído do óleo da folha de prímula. Mas é importante lembrar que a indicação do medicamento tem de ser feita apenas com prescrição médica", finaliza o ginecologista.

Não consegue abrir mão do doce? Coma pedacinhos pequenos, equilibre bem alimentação e pratique atividade física, ela libera neurotransmissores cerebrais como a serotonina. Que tal?

Fonte: Cristiana Arcangeli



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):