| em 14 maio 2010

Obediência - uma questão de atitude

"De tardinha, os discípulos de Jesus desceram até o lago. Subiram num barco e começaram a atravessar o lago na direção da cidade de Cafarnaum. Quando já estava escuro, Jesus ainda não tinha vindo se encontrar com eles. De repente, um vento forte começou a soprar e a levantar as ondas." (Jo 6.16-18)

Não é verdade que a paz sempre acompanha a obediência?

Essa pode ter sido a expectativa dos discípulos. Eles obedeceram à ordem dada pelo Mestre, e em nenhum momento questionaram, simplesmente obedeceram.

A narrativa de João nos mostra o resultado de tal atitude.

"Jesus ainda não tinha vindo se encontrar com eles."

Tal como os discípulos, muitas vezes somos pegos no meio de uma tempestade do "ainda": ainda não é a sua vez ou ainda não tenho seu resultado. São tantos "ainda" que muitas vezes pensamos que a nossa hora nunca vai chegar.

Eles obedeceram, e vejamos o que aconteceu: Uma noite de mar tempestuoso, e Jesus na praia. Uma coisa é sofrer por fazer coisas erradas, outra bem diferente é sofrer por fazer o que é certo.

As tempestades em nossa vida levam para longe a idéia de que se fizermos o correto não sofreremos. Os ventos sopram e nos perguntamos: Por quê? Não paramos de perguntar: Onde está Jesus? Quantas perguntas ainda faremos durante a caminhada?

É ruim enfrentar uma tempestade, ainda mais quando nos sentimos sós. A Bíblia relata que os discípulos já estavam no mar havia quase nove horas. Imaginem quantas vezes olharam tentando avistar o Mestre! Quantas vezes gritaram seu nome! Uma pergunta devia estar no ar: "por que demorava tanto?"

O Evangelho de Marcos (6.48) conta que durante a tempestade Jesus viu que os discípulos "se fatigavam". Jesus esperou o momento certo, até perceber que era hora de chegar.

Tempo!

Mesmo que você nada ouça, ele está falando. Mesmo que você nada veja, ele está agindo.

É tempo de crer e lembrar que nada foge ao controle de Deus. O episódio da rota do Egito para Canaã nos ensina uma preciosa lição. O que teria feito uma viagem curta se estender por anos? Será que Deus não queria que seus filhos chegassem? Em Deuteronômio 8.2-5 temos a resposta. No deserto Deus removeu o orgulho do povo, pôs à prova o coração filhos de Israel. É claro que Deus queria que todos chegassem. Mas o desejo maior era que chegassem preparados. Certas lições só são aprendidas por meio da dor. O que Jesus está fazendo enquanto enfrentamos a dor? Ele vela por nós. Durante a tempestade Jesus estava orando, e mesmo diante do sofrimento dos seus, não interrompeu a oração. Por quê? Ou ele não se importava ou confiava na oração!

Assim como os discípulos, nós temos de ter a mesma atitude, remar. Remamos boa parte de nossa vida. Mais luta que descanso. Existem dias de celebração, temos nossa cota de festas, mas também nossa cota de negras nuvens. Para ter a primeira precisamos suportar a segunda. Portanto, não pule fora, não desista. Quando não conseguir vê-lo confie nele. Jesus está fazendo uma oração que ele mesmo responderá.

Escrito por: Jeverton Magrão Ledo - autor de "Minha Escolha Profissional - o que Deus tem a ver com isso?" (Editora Vida)

Fonte: Revista Ultimato



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):