| em 14 maio 2010

Os desafios de ensinar para a Classe de Adultos de Escola Bíblica Dominical

Os desafios de ensinar para alunos de diferentes formações intelectuais e espirituais

A classe de adultos da Escola Dominical, assim como as demais, apresenta as suas peculiaridades. Professores de adultos devem estar atentos para os traços que caracterizam os seus alunos. Da mesma maneira que trabalhar com crianças nas diferentes faixas estarias, ensinar pessoas que já atingiram a maturidade exige uma atenção muito especial.

Em geral, as classes de adultos são numerosas. Para não interferir no desempenho do aluno, há igrejas que fazem vários grupos de adultos: obreiros, casais, jovens solteiros acima de 25 anos, homens, mulheres etc. A fragmentação é aplicável, já que um grupo demasiado grande torna-se prejudicial para o aprendizado do ponto de vista didático. O trabalho com grupos menores tende a atingir os seus objetivos com maior precisão.

A classe de adultos possui características específicas sobre as quais iremos discorrer:


1 . Heterogeneidade

Normalmente, as classes de adultos são compostas de alunos de diferentes formações intelectuais e espirituais. O professor pode possuir alunos analfabetos, semialfabetizados, estudantes universitários e até doutores. Os níveis de formação intelectual atuam direta e decisivamente na compreensão dos conteúdos a serem abordados. Há alunos que nasceram na igreja e outros que se converteram já adultos. As experiências, portanto, são distintas e precisam se consideradas. Os que são egressos de lares cristãos estão familiarizados com as circunstâncias vivenciadas. Eles podem, inclusive, comparar o perfil da igreja, quando ainda eram meninos, com o da igreja atual. É um desafio ensinar a Bíblia para uma classe de tão grandes contrastes.

“Ensinar pessoas que já atingiram a maturidade exige uma atenção muito especial”


2. Pré-conhecimento

Uma classe de adultos pode conter alunos que passaram pelas demais classes na ED. Eles chegam à maturidade com uma bagagem de conhecimento bíblico inquestionável. É comum também possuírem experiências espirituais diversificadas. Outros, no entanto, que se converteram depois de adultos, mesmo tendo passado pela Classe do Discipulado, ainda possuem um conhecimento bíblico superficial. Embora bem instruídos quanto aos princípios fundamentais da fé cristã, eles têm um contato menos profundo com a Bíblia Sagrada. O professor, portanto, ao preparar a aula, deve lembrar-se desse aspecto relevante que, inequivocamente, está presente em sua classe.


3. Necessidade de crescimento

O aluno adulto que apresenta assiduidade na ED está consciente da necessidade de crescimento. Ele está ali para adquirir o conhecimento bíblico necessário para o desenvolvimento espiritual (2Pe 3.18). O aluno adulto, portanto, vai espontaneamente à aula porque está sentindo a necessidade de crescer espiritualmente.


4. A razão

As atividades pedagógicas que envolvem os alunos adultos devem ser específcas. Nas classes iniciais, por exemplo, valoriza-se a ludicidade. O ensino de adultos, no entanto, acontece de forma distinta. Deve-se considerar que o aluno adulto consegue elaborar as suas argumentações com racionalidade. Ele é capaz de sustentar as suas idéias e os seus conceitos a partir dos pressupostos de que dispõe. O professor, por sua vez, deve estar atento à possibilidade de, durante as suas aulas, surgirem questionamentos e discussões plausíveis sobre a matéria que está sendo estudada. Por isso, o professor deve estar muito bem preparado e seguro quanto ao conteúdo trabalhado.


5. Aplicabilidade

O aluno adulto não quer aprender por aprender. Ele quer saber onde e como aplicar aquilo que está conhecendo. Não podemos esquecer que os métodos que Jesus utilizou durante o seu ministério terreno incluíam a aplicação daquilo que Ele ensinava. Ao ensinar as Verdades Eternas, Jesus partia do conhecido para o desconhecido, do concreto para o abstrato, daquilo que era real para o sobrenatural. Assim, os seus discípulos conseguiam entender onde deveriam aplicar as lições que recebiam. A parábola do Bom Samaritano é um exemplo vívido dessa realidade. Ao tratar com adultos, o professor deve demonstrar a aplicabilidade dos ensinamentos na vida cotidiana do seu aluno


6. A motivação

Considerando que o aprendiz adulto interage diferentemente da criança na relação educacional, o professor deve promover o incentivo ao aprendizado de maneira exclusiva. A motivação do adulto para a aprendizagem está na sua própria vontade de crescer, o que alguns autores denominam de motivação interna, e não em estímulos externos. Embora a concessão de prêmios e brindes movimente os ânimos dos alunos adultos, não está aí o desenvolvimento da sua motivação. O adulto se sente motivado a estudar a Bíblia na medida em que está consciente da importância do seu crescimento espiritual. Ele sabe que, conhecendo a Palavra de Deus, tem-se o privilégio de conhecer o próprio Deus.


Como desenvolver a aula

A atividade pedagógica com a classe de adultos não pode prescindir de uma estruturação prévia. A seguir, estão relacionados itens de suma importância a serem observados na preparação das aulas para essa faixa:

a) Planejamento: talvez seja a fase que demandará mais tempo. O planejamento deve estar voltado para a identificação do conteúdo:

- Qual o principal ensinamento de uma lição
- Quais as principais informações a serem transmitidas?
- Que relação tem com o tema da revista?
- Qual a relação com a lição anterior?
- Como e onde aplicar o conhecimento?

b) Contextualização da lição em relação à revista como um todo.
c) Ênfase nos objetivos propostos.
d) Uma breve repassada nos tópicos, apresentando uma síntese do conteúdo.
e) Provocar, na medida do possível, a participação dos alunos, lembrando que eles são capazes de elaborar argumentos sólidos.
f) Se possível, aplicar uma dinâmica a fim de fixar o conteúdo trabalhado.
g) A metodologia deve ser variada sempre que possível.


Recursos metodológicos

É imprescindível que o professor, ao preparar a sua aula para a classe de adultos, leve em consideração o fator tempo. Semanalmente, apenas uma hora / aula é destinada para abordagem da lição. Apesar disso, a ministração não necessariamente deve ser expositiva. Se for assim, então é aconselhável que o ensinador utilize os recursos audiovisuais disponíveis. Não podemos esquecer que vendo e ouvindo o aluno pode reter 50% daquilo que lhe está sendo apresentado. Esse índice, no entanto, pode subir para 70%, se o aluno, além de ver e ouvir, tiver a oportunidade de discutir. Caso a igreja não disponha de recursos de mídia, o professor não deve dispensar o uso de outros meios, como cartazes, mapas, painéis, álbuns etc. Eles farão a diferença numa aula expositiva!

O ensino de alunos adultos na ED é um desafio constante para o professor cristão. É uma atividade tão relevante e prazerosa quanto o ensino de crianças e de adolescentes. Por isso, é importante que o professor saiba com quem está lidando, para que possa colher os melhores frutos do seu trabalho. A recompensa, como sabemos, está nas mãos do Mestre!

por Claudinei Zweibrucker, licenciado em Letras, bacharelando em Teologia, coordenador do Departamento de Educação Cristã e evangelista na AD em Santa Maria (RS)

Fonte: Revista Ensinador Cristão



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):