| em 29 junho 2010

Infecção urinária: saiba como tratá-la

Você sabia que uma em cada três mulheres sofre de infecção urinária pelo menos uma vez na vida? É o segundo tipo mais comum de infecções no organismo depois da gripe. "Isso acontece porque a uretra feminina é mais curta do que a masculina. O fato de estar localizada mais perto do reto facilita o acesso das bactérias ao trato urinário", diz o urologista Alex Meller, do Hospital Santa Paula, em São Paulo.

Outros fatores predispõem a contrair a infecção. "Mulheres com vida sexual ativa estão propensas à doença", diz, acrescentando que as que fazem uso de diafragma ou espermicidas têm maior risco. "Gestantes e diabéticas também apresentam maior ocorrência da doença, assim como pacientes acima dos 65 anos que fazem uso de determinados medicamentos e de fraldas geriátricas", afirma.

Sensação de pressão na bexiga, vontade frequente de urinar, mas na hora só urina um pouquinho são sinais de que algo está errado. "Normalmente, a urina é estéril e livre de bactérias e fungos. Portanto, vale a pena prestar atenção na urina. Caso ela não esteja límpida e tenha um odor desagradável e forte, é importante procurar ajuda médica. Em algumas pessoas, a infecção também pode vir acompanhada de febre, náusea e vômito", alerta o Dr. Meller.

Sentir vontade constante de fazer xixi, mas na hora sentir muita dor e só urinar um pouquinho e com ardência são sintomas claros de uma infecção urinária. Se isso já aconteceu com você, principalmente se foi depois de uma noite de sexo, é bem provável que integre essas estatísticas. Normalmente, a urina é estéril e livre de bactérias e fungos. Portanto, vale a pena prestar atenção na urina. Caso ela não esteja límpida e tenha um odor desagradável e forte, é importante procurar ajuda médica. Em algumas pessoas, a infecção também pode vir "acompanhada de febre, náusea e vômito", alerta o Dr. Meller.

Uma em cada quatro mulheres terá pelo menos um episódio de cistite durante a vida.


Métodos para prevenir a cistite

- Beba água: quanto mais líquido você ingerir, mais terá vontade de fazer xixi, diminuindo o tempo de exposição do corpo às bactérias. Dois litros por dia é o ideal.

- Urine a cada três horas: depois desse período, aumentam as chances de proliferação da bactéria. A dica vale especialmente nas 24 horas após o sexo – inclusive durante a noite.

- Sempre urine depois de uma relação sexual: se uma bactéria tiver ficado por ali, o xixi tem boas chances de eliminá-la.

- Consuma alimentos que contenham lactobacilos vivos para ajudar o intestino a funcionar bem. E todos os dias.

- Se o seu método anticoncepcional é o diafragma, melhor repensar. O espermicida pode facilitar a entrada das bactérias.


Cinco dicas para evitar a infecção urinária:

- Beba muita água durante o dia;

- Vá ao banheiro sempre que sentir vontade de urinar. No mínimo, cinco a seis vezes ao dia.

- Nada de resistir!

- Faça o asseio da área genital da frente para trás, nunca ao contrário;

- Urine logo após as relações sexuais;

- Evite duchas e sprays de higiene íntima. Não há redução dos níveis de infecção com o uso desses métodos.


Como curar a cistite

O remédio depende do tipo de bactéria que infectou o trato urinário. Um exame de urina detecta qual o organismo e o médico receita o antibiótico adequado. Simples assim.

Mas, se esse quadro se repetir mais de três vezes em um ano, atenção. Algumas mulheres são mais suscetíveis à bactéria. E, se você é uma delas, deve procurar um urologista – o especialista certo para diagnosticar e orientar as providências. A automedicação ou o antibiótico errado só aumentam a resistência ao germe.

A solução pode ser uma dose prolongada de antibiótico, ou até mesmo uma vacina. Trata-se de um comprimido que se toma por cerca de três meses para melhorar a resposta imunológica – mas, infelizmente, não garante a cura para todas. “Funciona em 45% a 55% das pacientes”, afirma Miriam Dambros, urologista da clínica Célula Mater, em São Paulo.

Fontes: abril.com.br e bemleve.click21.com.br



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):