| em 05 novembro 2010

Lúpus: Quando o próprio corpo se agride


Lúpus é uma doença grave, especialmente se houver lesões renais e cerebrais decorrentes de infecções


Para cada homem afetado, nove mulheres são portadoras dessa doença autoimune, que pode comprometer qualquer parte do seu organismo.

Pessoas que sofrem com o lúpus, uma doença autoimune que pode ocasionar danos a diversas partes do corpo. Assim como ocorre em outras doenças autoimunes, o sistema imunológico ataca as próprias células e tecidos do corpo, resultando em inflamação e dano dos tecidos. Os casos de lúpus costumam ser tratados com corticóides em pequenas ou grandes doses (pulso terapêutico) ou através de um método conhecido como plasmaferese (indicado nos casos em que há lesão renal mais abrangente), que retira grande quantidade de plasma para a eliminação dos complexos imunes circulantes.


Tipos da doença e tratamentos

Existem três tipos de lúpus. O lúpus discóide provoca inflamações na pele da nuca e da face e também do couro cabeludo. Já o lúpus sistêmico (que também acomete 10% das pessoas que têm lúpus discóide) afeta quase todos os órgãos ou sistemas do corpo – alguns pacientes desenvolvem lesões na pele e nas articulações, e outros sofrem de problemas dos rins, coração, pulmões e sangue. E o lúpus eritematoso ocorre como conseqüência do uso de certas drogas ou medicamentos – inclusive os medicamentos indicados para o tratamento da doença, que podem provocar um estado de “lúpus induzido” (por isso é preciso ter certeza absoluta do diagnóstico entes de iniciar tratamento com o corticosteróides, antimaláricos, como reuquinol, e antiinflamatórios em geral). Independentemente do tipo de lúpus, o paciente alterna, de modo geral, períodos críticos e períodos de relativa melhora ou mesmo de inatividade. O principal sintoma da doença é fadiga. A maioria das pessoas apresenta febre contínua ou intermitente, perda de peso e mal-estar. O diagnóstico, entretanto, é complexo, pois envolve exames laboratoriais e a análise de 11 critérios – se você se enquadrar em pelo menos quatro deles, provavelmente sofre de lúpus.

São eles: vermelhidão no nariz e na face, geralmente em forma de “asa de borboleta”; sensibilidade à luz; lesões discóides cutâneas; úlceras orais e/ou nasofaríngeas; artrite não-erosiva de duas ou mais articulações periféricas, com dor, edema ou efusão; alterações hematológicas; anormalidades imunológicas; fator antinuclear positivo; serosite; alterações neurológicas: convulsões ou psicose sem causa aparente e anormalidades das funções renais.


DICAS E CUIDADOS PARA VIVER BEM COM LÚPUS

- proteja sua pele da radiação solar, pois o sol é um dos maiores inimigos de quem tem lúpus;

- se você for engravidar, consulte seu médico, que deverá lhe acompanhar durante toda a gestação;

- se você usa pílulas anticoncepcionais, fique atenta: o aumento nos níveis de estrógeno pode desencadear novo surto da doença;

- tenha cuidado para não contrair infecções;

- evite aglomerações e ficar próxima de pessoas que estejam com doenças infecciosas;

- cuide de seu equilíbrio emocional junto a um psiquiatra, pois em alguns casos a primeira manifestação do lúpus pode ser surto psicótico ou de ansiedade;

- siga uma dieta equilibrada, para fortalecer o seu sistema imunológico;

- fique de olho em seus direitos e procure se informar. Se a doença lhe impedir de exercer a sua atividade profissional, você tem o direito de se aposentar por invalidez (desde que comprove a incapacidade para qualquer tipo de trabalho);

- pratique, no mínimo, 30 minutos de atividade física por dia, pois isso contribui para reduzir a dor. Duas boas pedidas são a ioga e o tai-chi;

- mantenha hábitos regulares de sono, pois descansar bastante e dormir bem ajuda na recuperação dos tecidos e das articulações;

- procure transformar a sua casa em um ambiente descontraído, assim você consegue reduzir o estresse (outro inimigo de quem sofre com o lúpus);

- pratique atividades e desenvolva um passatempo para ajudá-la a distrair-se e a enfrentar melhor as dores;

- junte-se a um grupo ou associação de pessoas que tenham lúpus – afinal, partilhar experiências também trás bem-estar.


CONHEÇA OUTRAS DOENÇAS AUTOIMUNES

Artrite Reumatóide – Sintomas: dor, rigidez e deformação nas articulações, anemia e secura das mucosas. Diagnóstico: exames de sangue específicos para detectar autoanticorpos, biópsia e raios X. Tratamento: sais de ouro, metotrexato, salazopirina, antipalúcidos, corticóides e imunossupressores.

Esclerose Múltipla – Sintomas: visão turva e embaçada, perda de força muscular, de equilíbrio e de tato, dormência, cansaço, dificuldades de raciocínio e incontinência urinária. Entretanto, não são iguais em todos os doentes. Diagnóstico: ressonância magnética e punção lombar. Tratamento: corticóides, infecções e citostáticos.

Fonte: Revista Proteste – Nº 97 (proteste.org.br)



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):