| em 10 fevereiro 2011

Caim e sua descendência


“A Semente da Serpente”
“E falou Caim com o seu irmão Abel: e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou.”
(Gênesis 4:8)

As Sagradas Escrituras nos falam de ovelhas e cabritos (Mat. 25:32-33), árvores boas e árvores más (Mat. 7:17-20), trigo e joio (Mat. 13:24-30), vasos de honra e vasos de desonra (II Tim. 2:2-20), filhos de Deus e filhos do diabo (I São João 3:10).

Os filhos de Deus, são gerados por Deus. “Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.” (S. João 1:13). “Sendo de novo gerados, não da semente corruptível, mas da incorruptível, pela Palavra de Deus, viva e que permanece para sempre.” (I. S. Ped. 1:23). Este gerado de Deus, é um novo nascimento, “Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” (São João 3:3). De modo que os filhos de Deus nascem de Deus porque são gerados por Ele. Eles tem tido sua origem em Deus desde o princípio, e tem sido manifestados na era em que Ele os tem querido manifestar. Isto se pode ilustrar com a vida natural: Nós estivemos nos lombos de nossos pais muito antes que fôssemos feitos manifestos neste mundo. Um homem com capacidade para gerar, tem seus filhos em seus lombos, até que pelos laços santos do matrimônio se fazem manifestos. Assim também os filhos de Deus, estavam em Deus desde o princípio e, ao seu tempo, Ele os gerou por Sua Palavra. A Palavra de Deus é a semente incorruptível que gera os filhos que nascem em Seu reino.

Assim como nascemos no natural, também nascemos no espiritual. “E assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial.” (I Cor. 15:49). Assim como aparecemos com a imagem de nossos pais no natural, também mostraremos a imagem de nosso Pai espiritual. Encerramos como um mistério esta dupla natureza: A humana e a espiritual.

Adão não teve pai terreno, pois Deus o gerou por Sua Palavra, o fez à Sua imagem e semelhança, logo o fez participante de carne e sangue, pois o criou, um corpo do pó da terra.

“E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também Ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é o diabo;” (Heb. 2:14).

De modo que os filhos de Deus tem que vir por esta linha: Espiritualmente são gerados pela Palavra de Deus, e humanamente vem de Adão seu pai terreno. Os FILHOS DE DEUS não podem vir por outra via.

“Porque, assim como TODOS morrem em Adão, assim também TODOS serão vivificados em Cristo” (I. Cor. 15:22). Todos os descendentes de Adão, morrem por causa do pecado, porém em Cristo, o último Adão, serão vivificados por causa de Sua justiça. Esta será a sorte de TODOS os que vem por Adão.

Se os FILHOS DE DEUS descendem de Adão, segundo a carne, e espiritualmente são gerados pela Palavra de Deus, então de onde vem os filhos do diabo? Esta é uma pergunta que deve ser respondida, porque não podemos ser filhos de Deus e ao mesmo tempo filhos do diabo. E um filho do diabo nunca pode chegar a ser filho de Deus, como tampouco um filho de Deus pode chegar a ser um filho do diabo; porque são de naturezas diferentes. Um porco não pode chegar a ser ovelha, nem ovelha pode converter-se em porco.

Nisto são manifestos os filhos de Deus, e os filhos do diabo. Qualquer que não pratica a justiça, e não ama a seu irmão, não é de Deus. (I S. João 3:10).

Pode suceder que um filho de Deus caia em uma trama do diabo e cometa um pecado; como também pode um filho do diabo imitar as coisas de Deus; entretanto conservam naturezas diferentes, e no fim se manifestará o que tem por dentro. O trigo sempre será trigo, e o joio sempre será joio. São duas sementes diferentes, ainda que são muito parecidas. Ambas vivem no mesmo campo e se alimentam da mesma chuva e do mesmo sol, porque Deus “faz que o seu sol se levante sobre justos e injustos” (Mat. 5:45). Entretanto são sementes diferentes, as quais se reproduzem segundo seu gênero, porque assim o tem decretado o Senhor: “Produza a terra ervas verdes, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nela sobre a terra” (Gênesis 1:11). Cada semente se reproduz segundo seu gênero. Isto sucede tanto no natural como no espiritual. Uma semente de milho produzirá milho toda a vida.

Na parábola do trigo e do Joio, diz: “O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia boa semente em seu campo...” Este semeador representa o Filho do Homem plantando os filhos do reino; “Mas dormindo os homens, veio o inimigo, e semeou o joio no meio do trigo, e retirou-se.” este outro semeador representa o diabo, plantando seus filhos no campo. Ambos, tanto Deus como o diabo, tem plantado seus filhos, porém toda a planta que não tem sido plantada pelo Pai Celestial, será arrancada. (Mat. 15:13). Assim que há dois semeadores e duas sementes diferentes.

O inimigo não pode alterar a semente original representada no trigo, porém introduziu outra semente no campo, e desta maneira o misturou. Hoje estas duas sementes estão misturadas no mundo, porém guardam separação em seu gênero porque são de naturezas diferentes. Podem nascer juntas e viver uma ao lado da outra; porém trigo produzirá trigo, e joio produzirá joio. Cada semente se reproduzirá conforme o seu gênero. “Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus” (I. João 3:9). Esta semente de Deus não se pode misturar, pode permanecer ao lado de outra semente diferente, porém sempre conserva sua natureza original, porque tem sido gerada por Deus; portanto conserva as características de seu Pai e se distingue no mundo como filho de Deus. Os filhos de Deus tiveram sua origem em Deus, e os filhos do diabo tiveram sua origem no diabo; porque o diabo tem semente e a tem semeado neste mundo. Agora, se os filhos de Deus, procedem espiritualmente de Deus e no natural descendem de Adão, então os filhos do diabo tem que proceder espiritualmente do diabo, e no carnal tem que ter também seu pai.

“Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos do vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele...” (João 8:44).

O Senhor Jesus Cristo declarou a estes judeus que desejavam matar-lhe, sua verdadeira procedência e também sua descendência natural. Espiritualmente eram filhos do diabo e no natural eram filhos do homicida desde o princípio, o qual é CAIM.

“Não como Caim, que era do maligno, e matou a seu irmão. E porque causa o matou? Porque suas obras eram más e as de seu irmão justas” (I. João 3:12). Desta maneira o Senhor Jesus Cristo mostra donde se originaram os filhos do diabo e quando foi que este inimigo começou semeando sua má semente no campo, Foi lá no mesmo jardim do Éden. No mesmo princípio vemos o joio no campo ao lado do trigo: Caim com Abel. E lá no princípio esta besta matou a seu irmão Abel. Abel descendia espiritualmente de Deus e naturalmente de Adão e a Escritura o declara justo. Ao contrário Caim é chamado filho do diabo; porém QUEM SERIA SEU PAI CARNAL? Porque Adão não podia produzir uma besta como Caim. A natureza de Adão podia gerar um justo como Abel, porém não podia produzir um filho do diabo, como tampouco o trigo pode produzir joio.

E disse o Senhor Deus a mulher: Porque fizeste isto? E disse a mulher: A serpente me enganou, e eu comi. Então o Senhor Deus disse à serpente: porquanto fizeste isto, maldita serás mais que toda besta e mais que todos os animais do campo: sobre teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida. E porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua semente e a sua semente, esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar. (Gênesis 3:13-15).

É conveniente tirarmos a idéia de que o animal denominado aqui “a serpente” era como o ofídio que normalmente chamamos “cobra”. Fixe-se você na maldição lançada por Deus sobre este animal depois da queda no jardim do Éden: “Então o Senhor Deus disse a serpente: por quanto isto fizeste, maldita serás mais que todas as bestas e animais do campo; SOBRE O TEU VENTRE ANDARÁS, e pó comerás todos os dias da tua vida.” (Gen. 3:14). Não podemos definir qual era a sua forma antes desta maldição, porém tinha que ser um animal ERECTO, porque de outra maneira não teria sentido estas palavras do Senhor. Também sabemos que era mais ASTUTO que todos os outros animais do campo, de modo que somente o homem o superava. “Ora, a serpente era mais ASTUTA, que todos os animais do campo... (Gên. 3:1). Nesta expressão está encerrado a capacidade que tinha este animal; pois podia arrazoar, mentir, seduzir recordar, etc.”

O primeiro que fez com Eva, este astuto ser, foi arrazoar sobre o que ele sabia que Deus havia dito. Fixe-se como introduziu seu arrazoamento. “É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?” Este é um arrazoamento sutil, o qual revela a semelhança desta besta com o homem. Este animal estava falando com Eva: Falava como homem e ademais conhecia o idioma de Adão e Eva. Esta besta foi criada com esta capacidade. Era um ser muito semelhante ao homem. Em seu arrazoamento pode-se ver sua grande astúcia: “É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? Isto era como dizer-lhe: “Tu crês isso que Deus te tens dito? “Era um argumento sumamente astuto pelo qual fazia Deus mentiroso. Seu propósito era que Eva duvidasse da Palavra de Deus e crê-se no arrazoamento que ele estava expondo. Fixemo-nos na inteligência e sagacidade deste animal. Geralmente há a tendência de passar por alto suas qualidades tão parecidas com as do homem, porque pensamos que o diabo era quem estava fazendo tudo isto; porém recordemos que o diabo não pode criar nada; ele somente usa e perverte o que já existe. O diabo somente estava usando a capacidade deste animal para consumar sua maldade. Esta besta não era como um papagaio a quem podemos ensinar-lhe a repetir algo; era um animal astuto, o qual em seu arrazoamento havia formulado uma pergunta que exigia uma resposta.

“E a mulher disse à serpente: do fruto das árvores do jardim comeremos; mas do fruto da árvore que está no meio do jardim disse Deus: não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais.” (Gên. 3:2-3).

Devemos notar que Eva não estranhou a conversação da serpente, ela o recebeu como algo normal, dando a entender que ela sabia que esta besta falava como o homem portanto ela lhe respondeu a pergunta com o que sabia que Deus havia dito, entretanto, a seta diabólica entrou em Eva, e a serpente se atreveu a fazer uma afirmação contrária ao que Deus havia dito: “Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis”. (Gên. 3:4). Isto era uma mentira. Esta besta tinha capacidade para mentir e não somente mentiu, porém que com seu argumento pôs a Deus por mentiroso. O propósito da serpente era que Eva comesse o que se lhe havia proibido. Este animal estava inspirado pelo diabo, porém sem dúvida, que ele também havia posto sua capacidade a disposição de Satanás; portanto o maligno o tomou como instrumento para semear sua semente dentro do gênero humano e assim continuar na terra o que havia começado no céu; por essa razão a Escritura o chama a serpente antiga, pois esta besta foi a cúmplice do diabo na queda de Adão e Eva. Assim como encontramos hoje homens que são inspirados diabolicamente para fazer o mal, da mesma maneira a serpente foi inspirada pelo diabo para fazer o que fez.

Fixe-se como argumento este animal: “Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal” (Gên. 3:5). Este animal estava tratando de despertar na mente de Eva o desejo de adquirir sabedoria e de ser igual a Deus. Este argumento a cativou e, em sua mente, ela deu crédito para as palavras da serpente e duvidou da Palavra de Deus. Ali foi enganada pela serpente e caiu ao acertar seu arrazoamento; logo tudo o demais foi fácil. A Bíblia diz que a serpente a seduziu: “E Adão não foi ENGANADO, mas a mulher, sendo SEDUZIDA, veio a cair em transgressão.” (I Tim. 2:14).

A tradição afirma que Eva comeu uma maçã (ou uma fruta natural) e que o pecado esteve na desobediência, porém Paulo ensina que a serpente a ENGANOU e a SEDUZIU. E todos sabemos o que sucede quando um homem engana e seduz uma mulher. Isto não é assunto de se comer uma fruta natural, porém algo mais grave. O apóstolo Paulo escrevendo aos Coríntios faz isto ainda mais claro:

"Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; Por que os tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, Cristo. Mas temo que, como a serpente enganou a Eva com sua astúcia, assim também seja de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos...” (II Coríntios 11:2-3).

Paulo está falando da Igreja como uma virgem pura, a qual ele tem preparado a um marido, Cristo; porém em seguida diz que teme que suceda o que fez a serpente com Eva; é dizer, Paulo relaciona a Eva com uma virgem pura, quem antes de se unir a seu legítimo marido, foi enganada e seduzida pela serpente astuta. A mesma Eva confessou ao Senhor que a serpente a havia enganado e ela havia comido do fruto proibido.

Então o Senhor Deus disse à mulher: Que é o que tens feito? E disse a mulher: A serpente me enganou e eu comi. (Gên. 3:13).

Deus quis deixar este mistério envolto em um simbolismo; portanto aqui não está se referindo a comer-se um alimento natural. Isto o podemos ver mais claro em outras porções das Escrituras Sagradas:

“Tal é o caminho da mulher adúltera: Ela come e limpa a sua boca e diz: não cometi maldade.” (Prov. 30:20). Isto não significa que uma mulher adúltera por comer frutas ou algum alimento natural, porém um simbolismo que representa o ato sexual.

O pecado original não foi comer maçãs ou qualquer outro fruto natural, porém o pecado de adultério e fornicação e isto mesmo tem sido a arma mais poderosa do diabo através de todos os tempos e nesta era está mais generalizado do que em qualquer outra. A grande corrupção hoje consiste na perversão do sexo, porque ali começou o pecado original.

A serpente, astuta mais que todos os animais do campo, inspirada por Satanás, enganou e seduziu a mulher, como o ensinou o apóstolo Paulo: E Adão não foi enganado, mas a mulher sendo enganada, caiu em transgressão. (I Tim. 2:14). E já sabemos o que sucede quando um homem engana e seduz uma mulher. Assim que o pecado de Eva não foi o de se comer uma fruta natural, senão o pecado de adultério, foi infiel a Adão. A Escritura diz: “Tal é o caminho da mulher adúltera, COME e limpa a sua boca e diz: “não cometi maldade.” (Prov. 30:20). Aqui a Escritura encerra no ato de comer, o pecado da mulher adúltera. “E disse a mulher: A serpente me enganou e eu COMI. (Gên. 3:13).

Neste ato, a serpente deixou sua semente em Eva; e ainda que esta besta perdesse sua forma original pela maldição lançada por Deus, sem dúvida sua semente sobreviveu. A semente da serpente foi Caim, a quem a Escritura chama “FILHO DO MALIGNO”, porque o diabo foi seu pai espiritual, e a serpente seu pai natural. Por esta razão a Escritura afirma que há filhos de Deus e filhos do diabo. Os filhos de Deus vem por Adão, e os filhos do diabo vem por Caim. Talvez ninguém possa distingui-los no físico, porém no espiritual tem grandes diferenças. Sem dúvida, tanto um como outro são religiosos. Foi num ato religioso que Caim irou-se contra seu irmão Abel; pois ambos trouxeram sua oferta a Deus, porém o zelo de Caim o levou até a matar seu irmão Abel.

“E conheceu Adão a Eva, e ela concebeu e teve a Caim, e disse: alcancei do Senhor um varão. E teve mais a seu irmão Abel”... (Gên. 4:1-2).

A Escritura é muito cuidadosa ao registrar este feito, e claramente destaca um conhecimento e dois nascimentos. É dizer: Adão a conheceu uma vez “E deu a luz a Caim... e depois deu a luz a seu irmão Abel”. Esta informação da Escritura sugere gêmeos; pois não fala de um novo conhecimento, para que nascesse Abel; ao contrário para nascer Sete, se fala de um novo conhecimento: “E conheceu DENOVO Adão a sua mulher, a qual teve um filho, e chamou o seu nome Sete; porque Deus (disse ela), me tem substituído OUTRA semente em lugar de Abel, porquanto Caim o matou”. (Gen. 4:25). Agora, note você que Eva não disse: Deus me tem dado mais semente, porém OUTRA SEMENTE, pois Sete não era da mesma semente de Caim. Este procedia da serpente, e Sete descendia de Adão. Os descendentes de Sete foram chamados de filhos de Deus e chamados do Nome de Jeová, enquanto que os de Caim, foram simplesmente catalogados como os filhos dos homens. Adão CONHECEU DENOVO a sua mulher, é dizer, a conheceu pela segunda vez, e deste feito nasceu Sete, pois de seu primeiro conhecimento nasceu Abel.

Na parábola do trigo e do Joio, o que os semeadores saíram a semear foi gente. Um semeou filhos de Deus, e o outro, filhos do diabo. Estas são as únicas duas classes de pessoas que há no mundo. As podemos subdividir de muitas maneiras, porém não são mais que dois grupos; e ambos grupos tem sido religiosos desde o princípio. Porém recorde: trigo, sempre tem sido trigo; joio, sempre tem sido joio. A religiosidade não tem mudado sua natureza. Olha o que o Senhor disse: “... Ao tempo da ceifa eu direi aos ceifeiros: colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas o trigo recolhei no meu celeiro”. (Mat. 13:30). Ele não manda recolher o joio para convertê-lo em trigo, senão para queimá-lo. Alguns crêem que podem converter filhos do diabo em filhos de Deus. Jesus disse aos religiosos de seus dias: “Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito: as minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem” (João 10:26-27). Em outra ocasião lhes disse: “Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus (João 8:47). Um joio poderá crer em qualquer sistema denominacional, tradição ou dogma, porém nunca poderá permanecer até o fim na Palavra de Deus. Um filho de Deus pode estar cativo nas garras do diabo enquanto permaneça em ignorância, porém quando a semente seja regada e despertada, então viverá provando que é um filho de Deus.

"Mas, como então o que era gerado segundo a carne perseguia o que era gerado segundo o espírito, assim também agora.” (Gálatas 4:29).

Todos os atos de intolerância religiosa tem tido sua origem no princípio, e os autores deles nem sequer sabem quem é o seu pai, antes em seu zelo religioso perseguem, caluniam, difamam, e até matam, crendo que nesta forma estão fazendo um serviço a Deus, ou colaborando com sua obra. Estão cheios de ódio, e não sabem amar e nem perdoar. Eles confessam que são de Deus, porém suas ações e palavras demonstram quem é seu verdadeiro pai. Os grandes religiosos no tempo do Senhor Jesus Cristo asseguravam que eram sementes de Abraão e filhos de Deus, porém Jesus disse: “Se fosseis filhos de Abraão, farieis as obras de Abraão. Mas agora procurais matar-me, a mim, homem que vos tem dito a verdade"... (João 8:30-40). “Jesus lhes disse: “Se Deus fosse o vosso pai, certamente me amarieis...” (João 8:42). Você pode ouvir-lhes falar de amor porém eles não podem amar, porque descendem do homicida desde o princípio e sua natureza é perversa. Suas palavras e suas ações demonstram o que há em seu interior. Somente a verdadeira semente de Deus amará até seus próprios inimigos e orará por seus perseguidores porque possui da natureza de Deus e Deus é amor.

Por William Branham



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):