| em 15 fevereiro 2011

Osteoporose – Seja responsável em suas escolhas


Ninguém está livre da perda óssea. Mas se você mantiver hábitos saudáveis, poderá adiar esse momento.


Os ossos são preparados para suportar, proteger e movimentar toda a estrutura corporal que dispomos. Ao mesmo tempo em que são resistentes, podendo agüentar grandes cargas de peso, ossos podem se transformar em estruturas frágeis ao longo dos anos. Se você não se alimenta direito, gosta de bebidas alcoólicas, não abre mão de várias xícaras de café, passa longe de laticínios, faz cara feia para frutas e verduras e não pratica esportes, é um sério candidato á osteoporose. E se for mulher, as suas chances de desenvolver o problema são ainda maiores.

O organismo está programado para aumentar gradativamente a densidade dos ossos até os 30 anos de idade. Depois disso, a densidade óssea diminui literalmente. Se o seu corpo não for capaz de regular o conteúdo mineral, seus ossos tornam-se menos densos e mais frágeis, sendo a osteoporose o resultado da equação. Além de ser a doença óssea metabólica mais freqüente (sendo a fratura a sua manifestação clínica), a osteoporose é considerada um grave problema de saúde pública, uma das mais importantes doenças associadas ao envelhecimento (de cada 100 pacientes diagnosticados, 80 apresentam osteoporose pós-menopausa ou osteoporose senil). E a fratura de fêmur é, sem dúvida, a conseqüência mais dramática. Em relação a fratura de quadril, 15% a 20% dos pacientes morrem devido à fratura ou suas complicações durante a cirurgia. Ou, mais tarde, por embolia ou problemas cardiopulmonares em um período de três meses, sendo que 1/3 do total de fraturados morre em seis meses. A maioria restante fica com graus variáveis de incapacidade.

>> Em 2050 acredita-se que 6,4 milhões de fraturas no colo do fêmur serão causadas pela doença.

>> 1/3 das mulheres entre 60 e 70 anos e 2/3 das mulheres acima dos 80 desenvolvem a doença.

>> 15 milhões de brasileiros têm a doença, segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS).


Com o avançar dos anos, os homens perdem apenas 2/3 da quantidade de massa óssea que as mulheres perdem

Mulheres sofrem mais - O remodelamento ósseo é um processo contínuo de retirada do osso para o sangue e de formação de um novo osso, ocupando 20% a 30% do esqueleto a cada momento. Através do remodelamento, o tecido ósseo substitui as células velhas por novas e o organismo pode dispor de elementos importantes que são armazenados nos ossos, como cálcio.

No início de cada ciclo de remodelamento, os osteoclastos (células responsáveis pela absorção durante o remodelamento) escavam o osso, formando lacunas em sua superfície e cavidades em seu interior. Após duas semanas, os osteoclastos são deslocados pelos osteoblastos, que em aproximadamente em três meses preenchem a área absorvida com osso novo.

Após 30 anos, a quantidade de osso reabsorvido e reposto deixa de ser igual, resultando em perda de massa óssea. A perda relacionada à idade é conhecida como osteoporose senil – sendo que as mulheres perderão cerca de 35% de osso cortical (como fêmur) e metade de osso trabecular (vértebras), enquanto os homens perderão 2/3 desta quantidade. As mulheres sofrem mais, pois passam por um período transitório de perda rápida de osso (que pode se manter por quatro a oito anos, com perda óssea chegando a 2% ao ano),no qual a queda de estrógenos circulantes, que ocorre desde a pré-menopausa, desempenha um papel importante. A resposta à queda estrogênica é mais intensa, com grande aceleração do remodelamento ósseo e perda de 5% a 10% de massa óssea ao ano em 40% das mulheres, o que configura a osteoporose da pós-menopausa.


Medicamentos entre as causas - Uma pequena parte das pessoas apresenta a chamada osteoporose secundária, que pode ser causada pelo uso excessivo de medicamentos como corticosteróides, barbitúricos, anticonvulsivantes e hormônio tireoidiano, e também por insuficiência renal crônica e distúrbios hormonais (especialmente distúrbios da tireóide, da paratireóide ou de bebidas alcoólicas e de cigarro pode piorar o quadro. Outro tipo incomum é a osteoporose juvenil idiopática, cuja causa não é identificada, e que ocorre em crianças e adultos jovens que apresentam concentrações e funções hormonais normais e concentrações normais de vitaminas. Ou seja, mesmo as pessoas jovens, que teoricamente não apresentam qualquer razão para desenvolver precocemente fragilidade óssea, não estão livres da osteoporose.


Pode causar invalidez - O critério atual para o diagnóstico da osteoporose é de perda de 25% de massa óssea quando comparada a um adulto jovem. Assim, o diagnóstico precoce de osteoporose é feito através de densitometria óssea, enquanto o estudo radiológico somente mostra alterações inequívocas quando há perda de 30% da massa óssea. A osteoporose, em geral, leva à perda de qualidade de vida. As fraturas obrigam a internação em hospital e, freqüentemente, a realização de cirurgia, mas também podem levar à invalidez (cerca de 50% dos casos) ou até à morte (20%).

A prevenção é mais eficaz do que o tratamento e envolve a manutenção ou o aumento de densidade óssea pelo consumo de quantidades adequadas de cálcio, prática de exercícios e, para alguns indivíduos, o uso de medicamentos específicos.

O consumo de cálcio é uma medida eficaz especialmente antes que a densidade óssea máxima tenha sido atingida. Se optar por atividades intensas, como o tênis, pratique no máximo de dois em dois dias, para que os músculos e as articulações possam descansar. E não deixe de incluir alimentos saudáveis e ricos em vitamina D em seu prato.



Quanto nosso corpo precisa?

Conforme a idade, cada pessoa tem uma necessidade diária de cálcio diferente que deve ser contemplada ao longo das refeições. Veja como incluir na sua dieta – e na dieta de seus familiares – o nutriente e compare as quantidades:

Crianças 900mg

- um copo de leite com achocolatado (220mg);
- dois iogurtes com pedaços de fruta (380mg);
- uma porção (260mg) de alface, escarola, agrião, acelga, espinafre ou brócolis;
- um pedaço (105mg) de queijo fundido, branco, minas ou de coalho.

Adolescentes 1.200 a 1.400mg

- um copo de leite (240mg);
- dois iogurtes com pedaços de fruta (380mg);
- uma porção de verdura (260mg);
- duas fatias de queijo (420mg);
- duas fatias de pão integral.

Adultos 1.000mg

- um iogurte (190mg);
- duas porções de hortaliça (520mg);
- um sanduiche de queijo (450mg).

Idosos 1.000 a 1.500mg

- a mesma dieta dos adultos, mais um iogurte.


Evite a osteoporose

A perda óssea começa aos 30 anos e se agrava a partir dos 50. Para prevenir a osteoporose, evite os seguintes fatores de risco:

- Dieta vegetariana ou pobre em cálcio;
- Alta ingestão de proteínas;
- Ligadura das trompas;
- Tabagismo;
- Sedentarismo e falta de atividade física;
- Ingestão diária de álcool;
- Ingestão de mais de quatro xícaras de café por dia;
- Ingestão de bebidas ricas em fósforo (refrigerantes de cola);
- Uso prolongado ou contínuo de cortisona (corticóides), hormônios tireoidianos e anticonvulsivantes;
- Imobilização prolongada;
- Pouca exposição à luz solar;
- Menopausa precoce sem reposição hormonal;
- Falta de vitamina D – indispensável para o transporte do cálcio no organismo.


Revista ProTeste – Ano IX, Nº 99 | Proteste.org



Arquivado em | , , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):