| em 23 abril 2011

Crianças também sofrem de Anorexia Nervosa

Vários fatores estariam envolvidos no surgimento da doença, entres eles, o padrão de magreza estabelecido pela sociedade

Médicos explicam como o transtorno afeta meninos e meninas menores de 15 anos


Obrigar o filho a comer alimentos que não conhece, sem estabelecer uma boa relação com a comida, pode ser o primeiro passo do transtorno alimentar

Os 25 quilos de um menino de 12 anos da Inglaterra – e a insistência do garoto em recusar qualquer alimento por medo de engordar- trouxeram à tona que a anorexia nervosa não é problema só do mundo da moda e das passarelas. O transtorno chegou às crianças, inclusive, aos meninos.

A imprensa britânica noticiou a batalha do menino Taylor Kerkham em conseguir encarar a comida não mais como algo negativo, prejudicial e tóxico e, sim, uma aliada do desenvolvimento. Para isso, foram necessários quatro meses de internação hospitalar e psicoterapia (ainda em curso). A mesma missão de recuperar a desnutrição grave dos pacientes infantis, impulsionada pela vontade das crianças de emagrecer a todo custo, é vivenciada por profissionais brasileiros.

“O gatilho que provoca a anorexia nervosa na mulher adulta é o mesmo identificado nos adolescentes e crianças, sejam meninos ou meninas”, afirma o psicólogo especializado em menores de 18 anos Raphael Cangelli Filho, que atua no Ambulatório de Transtornos Alimentares do Hospital das Clínicas de São Paulo(Ambulim). Lá, ele já atendeu meninos de 9, 11 e 15 anos. “Eles (adolescentes) são tão influenciados por esse padrão estético magro quanto os adultos. É uma preocupação intensa, como se a magreza resultasse em sucesso”, define.

À BBC de Londres, os familiares de Taylor Kerkham disseram que o transtorno da recusa de comida começou quando os colegas de escola “brincavam” e chamavam o garoto de “gordinho” por causa do seus 50 quilos da época (um pouco acima do indicado para a sua idade). Foi o suficiente para despertar uma doente insatisfação com a forma física.

No Brasil, pesquisa do IBGE, divulgada no fim do ano passado, mostrou que as estudantes brasileiras também correm perigo para tentar “ficar” feliz com o espelho. Em uma amostra de 61 mil estudantes, foi identificado que 4.270 delas forçavam o vômito ou tomavam remédios para emagrecer (principal sintoma da bulimia). Todas tinham menos de 17 anos.

Pesquisadores de Minas Gerais e de Florianópolis, em estudos publicados no Caderno de Saúde Pública, identificaram que os sintomas de anorexia em meninos e meninas em idade escolar (13 a 15 anos) atingia a marca de 15,8% entre as quase 3 mil pesquisadas.

Influência dos pais

Ao mesmo tempo em que o motivo para buscar a diminuição do peso pode ser o bullying e a pressão dos colegas de classe, conforme mostrou levantamento publicado na revista Pediatrics, Elaine Rocha de Pádua, nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - especializada em transtornos alimentares infantil - diz que as respostas para origem do problema com a comida pode estar na educação recebida pelos pais.

“Existe uma série de fatores que pode estar por trás da anorexia nervosa em meninos e meninas e um deles é a amamentação”, explica Elaine. “Se a mãe toda a vez que o filho chora dá o peito para ele, a criança cresce convicta de que só encontra conforto na comida. Isso pode torná-la, no futuro, uma comedora compulsiva e aproximar a bulimia ou a obesidade”, diz. “Da mesma forma, um período natural do desenvolvimento infantil é a chamada fobia alimentar. A criança (até os seis anos) tem medo de comer o que não conhece e forçá-la de forma abrupta a ingerir o alimento nessa fase pode resultar em transtorno alimentar futuro.”

Uma pesquisa da Universidade de São Paulo, recém divulgada, sugeriu mesmo que a anorexia pode ser hereditária. Para sustentar isso, o estudo mostrou que as mães de meninas anoréxicas, em geral, ou falavam muito de forma física ou obrigavam as meninas quando a crianças “a rasparem o prato” ou só brincarem depois de “comer tudo” ou ainda sofreram do transtorno quando mais jovens.

Elaine, da Unifesp, e Raphael Cangelli Filho, do Hospital das Clínicas, ressaltam que todas essas características fazem com que a cura para os transtornos alimentares na infância exija, necessariamente, a participação ativa dos pais no tratamento. Existem casos que a anorexia pode indicar mais do que uma insatisfação com o corpo, mas algum problema sério como violência física, sexual ou psicológica.

Prestar atenção como o seu filho se relaciona como a comida, afirmam os especialistas, é a maneira mais fácil de reconhecer problemas e fazer intervenções rápidas. Depois de instalada, a anorexia tem de ser acompanhada pelos médicos para o resto da vida.


O que torna uma criança anoréxica

Não há como prever se e quando a criança vai desenvolver a anorexia nervosa, mas alguns fatores podem ser desencadeantes para aquelas com predisposição. Verifica-se que, em geral, as meninas que apresentam a doença são rígidas com elas mesmas, perfeccionistas e são cobradas pela família ou pela sociedade, que não admitem fracasso...

Foi o que aconteceu com I.M., hoje com 28 anos. Quando criança, ela praticava ginástica olímpica. Chegava a treinar até sete horas por dia. Aos 10 anos, às vésperas de uma importante competição, passou a apresentar o quadro de anorexia...

-- Eu era uma criança tensa e me dedicava muito à ginástica. Aquele campeonato ia ser decisivo para mim, poderia até me fazer mudar de cidade...

O primeiro sintoma foi a desnutrição. Na época, ela estava entrando na puberdade e tinha medo que o desenvolvimento de seu corpo atrapalhasse seu desempenho. Por isso, deixou de comer...

“Eu achava que meus pais estavam contra mim”

Logo que perceberam as mudanças na filha, os pais procuraram ajuda psicológica. I. foi afastada dos treinos e campeonatos e passou por três psiquiatras até encontrar um com quem se sentisse à vontade...
Foram diversas internações e consultas psiquiátricas. Devido à doença, a jovem teve seu crescimento comprometido...

-- Eu virei mulher de fato aos 15 anos, quando menstruei pela primeira vez e comecei a desenvolver os seios. Hoje, não vou mais ao psicólogo, mas freqüento um nutricionista..


Como os pais podem identificar a anorexia em seus filhos

O transtorno não se manifesta da mesma forma que em adultos, por isso muitos pais têm dificuldade em identificá-la. Eis alguns de seus sinais:

As crianças, diferentemente dos adultos, não ficam com aspecto cadavérico. Elas apenas param de ganhar peso (a crianças normal precisa ganhar peso gradualmente na fase de crescimento).
A criança começa a se movimentar muito para perder peso: ajuda mais nas tarefas braçais em casa, sobe e desce escadas sem necessidade.
Recusa-se a participar de encontros com os amiguinhos em locais onde a comida é uma das atrações principais, como lanchonetes ou festinhas de aniversário.
Fica muito tempo na frente do espelho olhando o próprio corpo e começa a conversar mais sobre dietas e sobre como perder peso.

Diferentemente dos adultos e adolescentes, que usam de artifícios para enganar a família durante as refeições, as crianças que sofrem de anorexia são muito claras e firmes em sua decisão de não comer. Elas simplesmente se negam a ingerir qualquer tipo de alimento.

Os pais podem achar que é uma fase. Pode até ser. Mas quem vai dizer se a situação é preocupante ou não, é o pediatra. O profissional é peça fundamental para o diagnóstico da doença.

Segundo a psiquiatra Vanessa Pinzon, coordenadora do Programa de Atendimento, Ensino e Pesquisa em Transtornos Alimentares na Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, "a criança não come, começa a apresentar um quadro de desnutrição e, a cada visita ao médico, percebe-se que não ganha peso".

Daí a importância de checar com o pediatra a curva de crescimento da criança. "Ela pode até ser magrinha, mas não pode deixar de crescer, nunca", diz Maria Angélica, da ABP.

Uma das conseqüências da anorexia nervosa é a desnutrição e a interrupção do crescimento. A criança demora mais para menstruar, para se desenvolver. Em casos de meninas mais velhas, a menstruação é interrompida e os seios deixam de crescer, ou regridem.

Outra mudança de comportamento típico de uma criança com anorexia é o isolamento social. Ela torna-se retraída e evita sair de casa. Maria Angélica explica que isso acontece com medo da exposição à comida.

- Ela tem dificuldade de ficar em uma festinha e ir à casa das amiguinhas. É medo de que ofereçam algum tipo de alimento a ela.

Veja também: Anorexia Nervosa: Saiba o que fazer para ajudar pessoas com este distúrbio

Fontes:
- http://delas.ig.com.br/
- http://noticias.r7.com/



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):