| em 05 julho 2011

Para fugir do colesterol: Manteiga ou Margarina?

O que causa mais danos à saúde, manteiga ou margarina?
É recomendado não consumir nenhuma delas?
Qual seria um substituto saudável?


Tanto a margarina quanto a manteiga são alimentos ricos em gorduras, que podem ser saturadas. Nesse caso, estão presentes principalmente em alimentos de origem animal, também ricos em colesterol. No caso das gorduras mono e poliinsaturadas, estão presentes nos óleos vegetais.


Qual é mais saudável?

As margarinas já foram indicadas como mais saudáveis do que a manteiga por ter menos gordura saturada e colesterol, mas foram duramente atacadas pela onda do combate à gordura trans. Agora, a maioria dos produtos já apresenta níveis muito baixos de gordura trans. Segundo a Proteste, o valor máximo encontrado foi de 0,4 gramas por porção, na Primor.

Com relação aos produtos light, foi comprovado que eles realmente têm menos gordura, tanto total quanto saturada, do que suas versões originais. "Mas há produtos tradicionais com teores mais baixos e que custam bem menos – como o creme vegetal Soya Lanche".


As diferenças entre os produtos

Margarina – Feita principalmente à base de gordura vegetal (a mais saudável), com um pouco de gordura animal (até 3%). As com maiores teores de gordura são mais indicadas para uso culinário. Também obtida por meio da hidrogenação de óleos vegetais (ricos em gorduras insaturadas),

Creme vegetal – Feito apenas com gorduras vegetais, tem o teor de lipídios menor quando comparado à maioria das margarinas. Se você quer emagrecer ou simplesmente precisa reduzir a ingestão de gorduras, essa é a melhor opção para passar no pão. Mas não é recomendável para uso culinário.

Manteiga – Feita de gordura de origem animal (por ser um derivado do leite), ela é rica em gordura saturada e colesterol, por isso deve ser consumida com bastante moderação. Ela também é rica em vitamina A.

De maneira geral, é mais comum consumir margarina, com o objetivo de se evitar o colesterol e as gorduras saturadas presentes na manteiga, principalmente pelas pessoas que apresentam níveis elevados de colesterol sérico (sanguíneo).

Porém, as gorduras trans inibem a ação de enzimas específicas do fígado, o que favorece a síntese do colesterol. Conseqüentemente, o consumo de margarina propicia o aumento dos níveis de colesterol e triglicerídeos e a diminuição do HDL (bom colesterol), por mecanismos indiretos.

Além do aumento dos níveis de colesterol, estudos indicam que as gorduras trans favorecem que as membranas percam sua flexibilidade, dificultando até mesmo a transmissão de impulsos nervosos, o que pode estar relacionado com o aumento da incidência de depressão.

Portanto, se você busca manter sua saúde em dia, diminuir os níveis sanguíneos de colesterol, evite alimentos fontes de gorduras hidrogenadas, como por exemplo, as margarinas.

Recomenda-se que pessoas saudáveis não consumam mais de 200 miligramas de colesterol por dia. Uma colher de manteiga tem 33 miligramas de colesterol.


Substituições mais saudáveis:

Experimente o requeijão light, cream cheese light, queijo tipo cottage, pois além do valor calórico reduzido, oferecem mais nutrientes como cálcio e proteínas. Além disso, têm mais baixos teores de gorduras em geral e gorduras saturadas em sua composição.

Outra dica é optar por creme vegetal, pois, é enriquecido com fitosteróis, extratos naturais de óleos vegetais, que combatem o mau colesterol.


Obs: Leia sempre os rótulos dos produtos, pois o fabricante pode modificar sua composição sem aviso. Em muito mercados, existem muitos cremes vegetais que se passam por margarina. Para ser classificado como margarina, pelas normas alimentares, o produto deve ter no mínimo 80% de gordura total.


Fontes:

www.uol.com.br
www.terra.com.br
Revista ProTeste - www.proteste.org.br



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):