| em 06 agosto 2011

Quando as emoções atrasam nossas vidas

Atrasando a si mesma

Todo mundo está sempre correndo. Corre pela manhã para escola ou trabalho; corre para ter um intervalo; corre para terminar algo; corre transito; enfim, nós vivemos em uma sociedade expressa. Se a internet não é rápida o suficiente, as pessoas ficam com raiva – pelo menos eu fico. Quem tem tempo para perder nos dias de hoje?

E ainda assim muitas pessoas atrasam a si mesmas a cada minuto do dia. Mas não me entenda mal, elas estão correndo, estão trabalhando, estão fazendo alguma coisa. O problema é que quase sempre, elas não estão pensando.

Você pode ficar extremamente ocupada o dia todo e mesmo assim não conseguir fazer o que precisa, quando não pensa. Você atrasa o seu progresso em encontrar maneiras melhores de fazer o que faz, e quando os problemas aparecem reage de uma forma emotiva. Você quer chorar ou encontrar um ombro onde possa chorar, quando na verdade sabe muito bem que isso não vai solucionar o seu problema – mas você faz mesmo assim.

Esse estado emocional faz com que sinta pena de si mesma. Procura no seu banco de memórias para chorar um pouquinho mais cada vez que se lembra de coisas que aconteceram e palavras que foram ditas. Eu sei como é, às vezes as lembranças tristes simplesmente aparecem em nossas mentes. Eu já me peguei com lágrimas nos olhos por causa disso!

As emoções nos atrasam, elas não nos deixam progredir, pensar ou planejar nada. Elas foram feitas para serem muito humanas, muito fracas.

Se você se encontra em uma prisão de emoções, lembre-se de quanto atraso está trazendo para si mesma. Use a sua mente para pensar no que você vai fazer com sua vida. Use a sua fé.


por Cristiane Cardoso
www.cristianecardoso.com

Fonte: Jornal Folha Universal



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):