| em 08 outubro 2011

Síndrome da paixão exagerada

Pais devem ter cuidado com paixão exagerada das crianças


Quase toda criança ou adolescente morre de amores por algum cantor, ator, personagem, jogador ou time de futebol. Ter um ídolo ou ser fanático por alguma coisa pode ser ruim para uns e absolutamente normal para outros, desde que, isso não afete sua vida real, que o jovem não mude a sua personalidade ou deixe de comer, e se relacionar para viver num mundo que só é visto na televisão.

Os pais devem tratar qualquer fanatismo dos filhos com muito cuidado. Eles não devem colocar tantos limites nos sonhos, que fazem parte da infância. Mas precisam interferir em casos exagerados. Por exemplo: quando o pequeno só dorme com a roupa do personagem favorito. Aí, o melhor a se fazer é não comprar tantos produtos deste personagem.

Os pais devem conversar bastante quando houver uma forte decepção da criança com algo que ela gosta. Um exemplo é quando uma série ou de desenho deixam de passar na TV. É preciso explicar que as coisas mudam e pode aparecer outra anda melhor.

Um caso a parte é a derrota de um time de futebol. Não é raro um adulto também chorar por isso, não é? Mas tem que se analisar até que ponto isso poderá afetar o psicológico de uma pessoa. Aí, é importante o pai ou a mãe está orientando o filho. Existem muitos jovens e adultos que são afetados pela síndrome da paixão exagerada, pessoas que preferem perder o emprego ao invés de deixar de ir a um show de seu artista favorito.

PARE E PENSE
“Jamais haverá ano novo se continuarem os erros dos anos velhos”
Luís de Camões [Poeta]

FIQUE ESPERTO
“É melhor pensar sem falar, do que falar sem pensar”
Jô Soares [Apresentador]

VÁ EM FRENTE
“Um sonho sonhado sozinho é um sonho. Sonho sonhado junto é realidade”
Raul Seixas [Cantor]

Por Filadélfia
Com informações do Jornal Expresso



Arquivado em | , , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):