| em 07 janeiro 2012

15 Surpresas sobre o orgasmo

Foto: www.farmadelivery.com.br
Descobertas reveladoras - e instrutivas! - sobre aquele momento 'ahhhh' que farão sua vida sexual atingir o clímax

Caminhos do prazer - Ele pode acontecer por meio do estímulo no clitóris, no ponto G, no ânus e há quem diga que até estimulando os seios é possível chegar lá!

1) 70% das mulheres nunca gozaram com parceiros
Eis o resultado de uma pesquisa da Universidade de Chicago (EUA). Então, se ainda não chegou lá, tranquilize-se, pois não está sozinha. “A sexualidade feminina trabalha mais como resposta do que impulso” diz a ginecologista Denise Coimbra. Logo, o primeiro passo é saber o que a excita.


2) Um orgasmo pode gerar descarga elétrica de até 244 mV (milivolts)
Uma baita descarga de energia - a energia de cinco orgasmos acenderia uma lâmpada! - seguida de contrações musculares involuntárias, em especial na genitália. Sem contar o aumento dos batimentos cardíacos, a aceleração da respiração e a intensa sensação de prazer. Assim é o orgasmo, que dura de oito a dez segundos.


3) Orgasmo na cabeça
Para Maria Helena Vilela, diretora do Instituto Kaplan de Sexualidade, clímax é um fenômeno mais psicoemocional que fisiológico. O estímulo ocorre na vagina, mas a sensação se dá no corpo todo. Assim, o que a impede de chegar lá geralmente são questões psicológicas. Os vilões? Ansiedade, medo e falta de concentração.


4) Clitoriano ou Vaginal?
O clitoriano é mais intenso e rápido. O vaginal, embora menos intenso, dura mais. Isso porque o clitóris é uma área muito sensível que responde mais rapidamente ao estímulo. O vaginal, por sua vez, exige estímulo constante e prolongado até a região ficar bem excitada. Fisiologicamente, no entanto, os dois orgasmos são iguais. Ou seja, uma resposta física e psicológica a estímulos eróticos.


5) Sim, mulher demora mais
Para que o homem fique excitado, seu organismo precisa bombear sangue para o pênis. "O corpo da mulher funciona de forma parecida, mas como nosso órgão sexual é mais complexo, precisamos de mais tempo para isso acontecer", explica Maria Helena Vilela. A excitação masculina é linear, cresce e atinge o ápice rapidamente. A da mulher é difusa; por isso, exige mais tempo e concentração.


6) Ela teve 222 orgasmo consecutivos!
A autora da façanha é uma dinamarquesa. Ficou com inveja? Apesar de incomum, orgasmo múltiplo é possível. Afinal, não precisamos de muito tempo para nos recompormos após atingir o clímax. Se o estímulo continuar, podemos gozar de novo. Mas a psicóloga e educadora sexual Laura Muller avisa: só 10% das mulheres nascem com predisposição para orgasmos múltiplos.


7) A ejaculação feminina não é só lenda
Não há muitas pesquisas sobre o tema e poucas mulheres conseguem ejacular - mas o fenômeno é real. Nele, a mulher libera, pela uretra, um líquido transparente e sem cheiro. "Para isso é preciso ficar muito excitada por um longo período", explica Maria Helena Vilela. Alguns especialistas assinalam que a ejaculação está ligada ao estímulo no ponto G, localizado cerca de 2 a 3 cm a partir da entrada da vagina.


8) Cochilo pós-coito é uma necessidade masculina
A mulher pode demorar mais para gozar, mas em minutos está pronta para outra. Já o homem necessita de mais tempo para se excitar novamente após o clímax, pois seu organismo demora mais para se recuperar do gasto energético e da descarga do hormônio endorfina. O fenômeno explica porque, depois da transa, os rapazes costumam sentir sono - é o corpo se recuperando.


9) Ovários e úteros não interferem no orgasmo
Mulheres que retiram útero e ovários têm tanta capacidade de chegar lá quanto às outras. “Não há relação com órgãos, apenas com hormônios, que alteram tanto a libido quanto a intensidade do orgasmo”, afirma a ginecologista Denise Coimbra.


10) Ahhhh... Que remedinho bom!
Ter um orgasmo queima calorias, favorece o metabolismo, faz bem ao coração, melhora o sono e a função imunológica, alivia cólicas menstruais e reduz o estresse. Efeitos colaterais? Possível dependência!


11) Homens podem ter orgasmo múltiplo
O orgasmo deles, em geral, vem seguido da ejaculação. Mas clímax é diferente de gozo. Por isso, segundo Maria Helena Vilela, no sexo tântrico (técnica ligada a uma filosofia indiana que trabalha com a energia sexual), os homens podem ter orgasmo sem perder a ereção.


12) Retarda a dor
Durante o orgasmo, o corpo libera uma dose extra de endorfina. "Além da sensação de bem estar, o hormônio anestesia o corpo" atesta Maria Helena Vilela. Explicada aquela dorzinha que você só sentiu no dia seguinte? Foi a bendita endorfina!


13) A idade influencia
Na maturidade, as mulheres passam a se conhecer melhor, tendo mais facilidade para chegar ao orgasmo. De outra parte, a menopausa desregula os hormônios, prejudicando a libido. A boa notícia? Com o devido acompanhamento médico, a menopausa perde a briga idade X sexo. E quem ganha é você!


14) Garanta o seu!
Há maneiras naturais de prolongar a ereção masculina. “Evite contato direto com o pênis se sentir que o parceiro está muito perto do orgasmo”, aconselha a sexóloga Maria Helena Vilela. Diminuir o ritmo até que você esteja quase gozando também é um jeito de retardar a ejaculação. Não deu para segurar? Então, peça ao seu parceiro que continue estimulando você por meio de carícias.


15) A posição faz toda a diferença...
"A dica número um é escolher a mais confortável", garante Lura Muller. No entanto, algumas favorecem o "ahhh" feminino:

• Deite-se de barriga para baixo e peça para o parceiro penetrá-la por trás.
• Sentada sobre ele, incline-se para trás.
• Deitada de barriga para cima, com uma almofada sob as costas, eleve o quadril e deixe as pernas sobre os ombros do companheiro.

Veja também: 12 passos para uma menopausa saudável

Por Filadélfia

Texto de Roberta Figueira [roberta.figueira@abril.com.br]

Fonte: Revista Viva [www.vivamais.com.br]



Arquivado em | , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):