| em 11 agosto 2012

Saúde e Beleza: os dez malefícios causado pelo açúcar


Reprodução

A primeira mudança alimentar seguida pelas pessoas que querem emagrecer ou manter o peso é cortar o excesso de açúcar do cardápio. A regra costuma funcionar já que alimentos açucarados viciam. Basta comer um para não conseguir mais parar e aí é aquela briga com a balança. Mas o que pouca gente sabe é que além de ser um dos responsáveis pelo aumento de peso, o consumo excessivo de açúcar está associado a uma série de problemas como enxaqueca, envelhecimento precoce, rugas, estrias, celulites, hipoglicemia, diabetes e até câncer.

Para entender melhor a ação do açúcar, é importante esclarecer que ele é composto por sacarose e outras substâncias químicas que causam prejuízo a quem o consome. Claro que isso depende muito da quantidade e da frequência com que se come, mas o fato é que o excesso faz mal sim.

Você já teve a sensação de começar a comer algum alimento açucarado e ter uma dificuldade imensa em conseguir parar? Na maioria das vezes, você come um atrás do outro, certo? Essa atitude se justifica porque o açúcar vicia e quanto mais consumimos, mais queremos consumir. “Isso acontece porque perdemos a palatividade para o sabor do açúcar”, explica a nutricionista Roseli Rossi.

Confira abaixo os efeitos nocivos do consumo excessivo de açúcar no organsimo e veja porque ele proporciona todas essas complicações:


Câncer
Quando consumido, o açúcar tem rápida absorção e, conseqüentemente, a glicose fica maior na circulação. Para equilibrar, o pâncreas libera insulina, que fica nos tecidos, inclusive no mamário. “Quem já tem câncer de mama iniciado e consome muito açúcar corre o risco de acelerar o desenvolvimento da doença porque a insulina vai estimular o crescimento e aumento das células tumorais mamárias”, afirma Roseli.

Enxaqueca
O consumo de açúcar pode agravar a crise de enxaqueca, sim. Segundo Edgar Raffaelli Jr, fundador e presidente da Sociedade Brasileira de Cefaléia, em entrevista ao site www.cente.med.br diz: “Existe um inimigo que, em geral, as pessoas desconhecem e custam a identificar: o açúcar. Como o controle da glicemia depende também do sistema límbico e o hipotálamo das pessoas que têm enxaqueca funciona mal, as oscilações bruscas da taxa de açúcar no sangue são fatores importantes para deflagar a crise”. Roseli explica: o quadro de enxaqueca piora porque quando consumimos açúcar, muita insulina é liberada, o que acaba desequilibrando os outros hormônios que afetam o sistema límbico.

Diabetes e hipoglicemia
Quem tem vulnerabilidade genética e consome açúcar em excesso, “tem probabilidade grande de adquirir essas doenças”, afirma Roseli.

Obesidade
Como foi mencionado, quando consumimos açúcar, a glicose, que é uma fonte de energia, fica aumentada no organismo e é armazenada em forma de gordura. O pâncreas, por sua vez, libera insulina, hormônio que favorece o acúmulo de gordura abdominal.

Diabete gestacional
“A mulher grávida naturalmente libera mais glicose para o crescimento do bebê. Se a gestante comer açúcar em excesso, sobrecarrega o pâncreas, que não dá conta de remover tanta glicose (tanto aquela proveniente do processo natural da gravidez quanto a vinda do consumo exagerado de açúcar) e o organismo acaba ficando resistente a insulina, provocando a diabete gestacional”, diz a nutricionista.

Estrias, celulites e rugas
O colágeno é uma proteína que dá elasticidade e viscosidade à pele. Quando consumimos muito alimentos doces, acontecem ligações cruzadas de colágeno com açúcar. Essas ligações confusas acabam desestruturando o colágeno. Aí, a pele perde a elasticidade, fica descolorida, inflexível, com rugas, estrias e celulite. “Quem come muito açúcar envelhece mais rápido”, completa a especialista.

Diante de tantos problemas que podem ser desencadeados com o consumo exagerado de açúcar, devemos cortá-lo de nosso cardápio? “Se não consumir, melhor, se consumir, o menos possível”, diz a nutricionista, que ainda aconselha a substituição do açúcar refinado por açúcar mascavo, que é mais rico de nutrientes, embora também seja calórico, ou por mel.

Para aqueles que não conseguem cortar o açúcar da dieta, a dica é consumir no máximo de 35g a 40g por dia. Na prática, segundo a nutricionista Adriana Ávila, da clínica Vitay Medicina de Emagrecimento e Estética, isso equivale a uma colher rasa de açúcar e uma fatia de doce pequena. Por exemplo: um brigadeiro (25g) ou uma fatia de bolo simples (30g) ou uma unidade de chocolate ao leite (30g) ou 3 unidades de bala de goma.

Fonte: Cristiana Arcangeli - Beleza e Bem Estar



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):