| em 18 novembro 2012

Dicas para manter a região genital livre de odores e infecções

Excesso ou a falta de limpeza podem prejudicar o pH da vagina — grau de acidez que impede a ação de bactérias — e resultar em uma série de doenças



Foto: Reprodução

O interior da vagina é naturalmente habitado por micro-organismos. Eles formam a flora vaginal e são responsáveis por proteger a região e manter seu equilíbrio com as bactérias e fungos naturais da flora. Para ajudar nessa tarefa e manter os órgãos genitais da mulher (vagina e a vulva) livres de infecções, é preciso dar atenção à higiene íntima. Isso porque, mesmo com a proteção natural dos micro-organismos, alguns fatores podem desequilibrar o pH da vagina e abrindo a porta para o aparecimento de infecções, corrimentos e coceiras.

A falta de intimidade com o próprio corpo, segundo a psiquiatra Dra. Carmita Abdo, fundadora do Programa de Estudos em Sexualidade da USP (Universidade de São Paulo), reflete em atitudes muitas vezes equivocadas em relação à higiene íntima.

Segundo a médica, o excesso ou a falta de limpeza podem prejudicar o pH da vagina — grau de acidez que impede a ação de bactérias — e resultar em uma série de doenças.

— Muitas mulheres consideram a região genital “suja”, quando na realidade a secreção e o odor característicos fazem parte do corpo feminino e atuam como uma proteção às infecções. Inclusive esse cheiro natural costuma atrair os homens.

Pode parecer incoerente falar que em pleno século 21 a região genital feminina é pouco explorada por suas donas, mas a antropóloga Mirian Goldenberg, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), garante que ainda há muita vergonha e preconceito em ralação ao tema e que isso dificulta o progresso feminino.

— As brasileiras se preocupam tanto com a aparência física e com agradar o parceiro que esquecem a importância de cuidar de sua genitália. E esse cuidado vai muito além do banho, é preciso conhecer o próprio corpo.

A Dra. Carmita concorda com a colega e acrescenta que alterações na coloração do corrimento e no odor característico da vagina podem ser sinais de alguma doença.

— Quando o odor é mais forte, a secreção vaginal está amarelada e há coceira, dor ou ardência a mulher deve procurar o ginecologista.


O pH da vagina é ácido e varia de 3,8 a 4,2. Esse é o ambiente ideal para sobrevivência dos lactobacilos responsáveis pela proteção da vagina. No entanto, situações de estresse, baixa resistência do organismo, a aproximação da menopausa e as flutuações hormonais afetam o pH vaginal causando um desequilíbrio na flora vaginal. Dessa forma, a mulher fica sujeita ao ataque de fungos como a cândida, que provoca coceira intensa e corrimento branco ou ainda à contaminação por bactérias que se proliferam melhor em um pH mais alcalino.

Outras infecções, como a vaginose bacteriana, que causa mau cheiro perceptível, principalmente após relações sexuais, podem se aproveitar dessa alteração do pH, conforme explica a ginecologista. "Assim, ter um pH balanceado, garantindo a acidez vaginal, garante o perfeito funcionamento das nossas funções e a saúde dos órgãos femininos. O uso regular do sabonete íntimo auxilia nessa manutenção do pH mais alcalino e, consequentemente, mais saudável", comenta a Dra. Rosa.

Com tamanha diversidade de marcas e tipos de sabonetes íntimos disponíveis fica difícil escolher o melhor. Mas a ginecologista dá a dica: "Verifique se o produto contém ácido lático, que garante a manutenção do um pH ácido vaginal, e se ele pertence a uma marca conceituada e reconhecida no mercado", finaliza Dra. Rosa Neme.


10 Dicas para higiene íntima feminina

1) A limpeza da região genital deve ser diária com sabonete comum e água corrente.
2) É importante passar os dedos entre os pequenos e grandes lábios para tirar a gordurinha branca produzida naturalmente ou os restos de papel higiênico.
3) Após o banho, orienta-se secar a região genital delicadamente com uma toalha macia.
4) O excesso de pelos na genitália pode provocar o acúmulo de secreções, por isso é importante cortá-los ou manter a depilação em dia.
5) Se a mulher se sentir confortável, pode dormir sem calcinha para arejar a região. Outra alternativa é optar por uma lingerie de algodão.
6) O uso de protetor diário absorve a umidade, a transpiração e as possíveis secreções, prolongando a sensação de limpeza.
7) A ducha vaginal só deve ser feita com orientação médica. O excesso ou a falta de limpeza pode alterar o pH da vagina.
8) Após a relação sexual, a limpeza deve ser realizada normalmente com água e sabonete.
9) Durante a menstruação, a higiene íntima pode ser feita com mais frequência e de acordo com o fluxo menstrual.
10) Perfumes e desodorantes íntimos são contraindicados porque podem disfarçar algum tipo de infecção vaginal.

Referencias: R7.Com | www.sabermulher.com.br



Arquivado em | , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):