| em 12 março 2013

Ração humana, a mistura perfeita!

Cada vez mais popular, a ração humana pode ajudar aqueles que não estão habituados a consumir fibras diariamente.

A tentativa de acrescentar na alimentação diária produtos que beneficiam a saúde cresce a cada dia. Nesse sentido, uma mistura de cereais tem feito bastante sucesso: a ração humana, que foi criada por uma terapeuta natural de Curitiba (PR), Lica Takagui, para adicionar nutrientes à sua dieta durante a gravidez. Hoje o mix de cereais é produzido industrialmente e possui até mesmo versões específicas para cada necessidade nutricional.



Reprodução


Ingredientes de efeito

A receita tradicional da ração humana conta com alguns ingredientes básicos que exercem diversas no organismo.

Farelo de aveia: contém teores de betaglucana, uma fibra que retarda o esvaziamento gástrico, promovendo sensação de saciedade e ajudando no controle da fome e do peso, além de contribuir para a melhora do funcionamento intestinal. “É um cereal de alto valor nutricional que previne algumas doenças como a obesidade, o diabetes, a hipertensão, o câncer de intestino e o colesterol ruim. A maioria desses benefícios é devido à presença da betaglucana”, destaca a nutricionista Luana Vasconcelos.

Açúcar mascavo: um tipo de açúcar que não passou pelo refino, concentrando cálcio, ferro, potássio e vitaminas que o açúcar refinado não tem. Não deve ser consumido por diabéticos.

Soja: é usada na ração humana na versão de extrato solúvel de soja. “Contém isoflavona, que age no organismo como o hormônio feminino estrógeno, ajudando na redução de sintomas associados à menopausa. Auxilia também na redução de colesterol no sangue e na prevenção de muitos tipos de câncer”, comenta a nutróloga Luciana Carneiro.

Gelatina: pode ser substituída pelo colágeno em pó. Qualquer um dos dois ingredientes é usado na ração como alternativa para fortalecer os tecidos do corpo, protegendo pele, unhas e cabelos.

Guaraná: é adicionado à receita com o intuito de evitar o cansaço físico e mental, dando mais energia e disposição. Deve ser evitado por pessoas com problema de pressão alta.

Linhaça: a tão comentada linhaça possui gorduras boas (ômegas 3, 6 e 9) que protege o coração e o sistema imunológico. É a melhor fonte alimentar de lignana, composto que previne sintomas da menopausa e até mesmo câncer de mama. É rica tanto em fibras solúveis quanto insolúveis.

Gergelim: um dos grandes destaques do alimento é o cálcio, podendo ser usado como fonte complementar no fortalecimento dos ossos. Também concentra vitaminas, proteínas e fibras.

Gérmen de trigo: “Contém vitaminas dos grupos A, B, D, F, K e, principalmente, a vitamina E, que regenera os tecidos”, descreve Luciana.

Levedo de cerveja: é boa fonte de proteína vegetal, de fácil digestão e importante para o organismo. “o levedo também auxilia o fígado na desintoxicação equilibra as funções do intestino, aumenta a imunidade, a resistência do organismo, combate a fadiga física e o estresse e fortalece as estruturas do corpo”, explica Luna,

RECEITA BÁSICA

Ingredientes:

250g de fibra de trigo
250g de leite de soja em pó sem açúcar
125g de farelo de aveia
125g de gérmen de trigo
50g de açúcar mascavo
50g de semente de gergelim com casca
25g de levedo de cerveja em pó
25g de guaraná em pó
25g de gelatina em pó sem sabor
25g de sementes de linhaça trituradas

Modo de preparo

Misture todos os ingredientes e coloque em um recipiente escuro, com tampa. Conserve em geladeira.


A ração humana é apenas um complemento nutricional e, portanto, não pode substituir refeições do dia a dia.



CONTRA INDICAÇÕES

A receita básica da ração humana possui algumas restrições. Em alguns casos, certos ingredientes precisam ser trocados para que não prejudiquem o organismo e possam melhorar funções específicas.

O açúcar mascavo, por exemplo, não deve ser consumido por diabético, assim como o guaraná deve ser evitado por hipertensos e pessoas com insônia.

A quinoa é contraindicada para indivíduos com problemas renais e a aveia, que contém glúten, não pode ser consumida por celíacos.

Vale lembrar que a mistura de cerais não deve ser consumida sem indicação de um especialista, que poderá indicar os produtos ideais para cada pessoa.



Ela pode ajudar!

Uma das principais indicações de consumo da ração humana é para melhorar o funcionamento intestinal. “Devido à boa quantidade de fibras presente em grande parte dos ingredientes, contribui para os movimentos intestinais. A quantidade significativa de fibras solúveis promove também um atraso nos esvaziamento gástrico e na absorção intestinal de nutrientes, auxiliando também nos emagrecimento”, explica a nutricionista Elaine Pádua.

É importante lembrar, porém, que o consumo de fibras deve ser regular e estar sempre associado à ingestão de líquidos, para que não ocasione prisão de ventre. É recomendado beber cerca de 2 litros de água por dia.

Quantidade certa

As indicações mais frequentes de nutricionistas apontam a quantidade ideal como 2 colheres (sopa) diárias da ração humana, que pode ser adicionada a frutas, vitaminas e iogurtes, por exemplo.

Porém, como a quantidade de cada alimento colocada na mistura é muito pequena, muitas vezes vale mais a pena consumir cada um dos produtos que compõem a ração separadamente. Isso quer dizer que você pode variar o consumo dos cereais ao longo da semana, obtendo benefícios de acordo com as características de cada alimento. Para baixar o colesterol, por exemplo, experimente consumir 2 colheres (sopa) por dia de farelo de aveia.


Texto: Iza Castellani / Consultoria: Elaine Pádua e Luana Vasconcelos, nutricionistas; Luciana Caneiro, nutróloga

Fonte: revista O Poder das Fibras Extra | Ano 1 - Nº 1


Leia também: Ração humana de A à Z: saiba como e quando colocar esse poderoso nutriente no prato! - o fenômeno que emagrece, sacia a fome, regula o intestino e nutre pele e cabelos.



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):