| em 15 agosto 2013

Dicas para quem está pensando em inovar no tom de cabelo

Vamos começar por uma pergunta retórica: que mulher nunca quis experimentar cores diferentes no próprio cabelo? Nem precisamos ir longe e pensar no rosa, azul, roxo ou qualquer cor do tipo. Vamos mais perto, falar do loiro, vermelho e ruivo, por exemplo.


Entretanto, que cor escolher para o seu cabelo? A primeira grande questão é que essa pergunta não pode ser respondida por mim ou por qualquer outra pessoa senão um profissional que a veja pessoalmente. Ele vai prestar atenção no seu tom de pele, no seu tipo de cabelo e vai poder aconselhá-la de forma mais direta e com menos chance do resultado não ser agradável.

Ainda assim, podemos dar algumas dicas para você chegar com uma ideia a ser discutida e ver se pode ser realizada sem nenhum problema.


1ª Dica

Seu tom de pele é o guia para escolher a cor que será aplicada em seu cabelo. Se você tem a pele bem clara, você com certeza fica bem com praticamente qualquer cor. Aqui, você pode explorar o ruivo sem pensar duas vezes, por exemplo. Inclusive o ruivo acobreado, que também é conhecido como o “ruivo natural”. Vale lembrar que, se pintar o cabelo inteiro neste tom, você vai ter que investir na sobrancelha também. Não faça em casa do jeito que acha que deve ser, procure um cabeleireiro e pergunte a ele como pintar as sobrancelhas com sucesso, ok?

Obs.: É melhor escolher algum cabeleireiro de confiança e procurar ir sempre ao mesmo. Ele já vai saber o que você gosta e desgosta, como quer que ele fique e como pretende lidar com qualquer questão a ser abordada.


2ª Dica

“Eu gosto da moda rosa, e agora?” Há algum tempo, o tom rosa no cabelo vem chamando atenção. A maioria das vezes ele vem em detalhes, como uma mecha única, algumas outras nas pontas... Bom, de qualquer forma, ele fica bom tanto em cabelos escuros quanto claros (ainda que fique melhor nestes últimos). Todavia, atenção para algumas coisas:

- Sem exageros, você procura algo elegante, diferente e único, mas, ao mesmo tempo, discreto na medida do possível. Exageros não são bem vistos em muitas situações e você pode perder chances inclusive de emprego por causa da aventura;

- Assim como o tom ruivo (vermelho ou acobreado), o rosa desbota muito rápido. Logo, sua manutenção é custosa – o custo mais baixo no Rio de Janeiro é R$40,00 para aplicação de tonalizante – e contínua. É se preparar para todo mês ir ao salão retocar e cuidar do acúmulo de tinta, que acaba por escurecer algumas partes.

3ª Dica

Qualquer química prejudica consideravelmente o cabelo, principalmente quando o uso da OX (água oxigenada) se faz necessário. O cuidado, então, é necessário e exige paciência. Você vai precisar estar equipada com: creme hidratante para uso semanal voltado para cabelos com química e, se possível, com repositor de massa capilar; azeite ou óleos de coco, de semente de uva, vale uma procurada nos tipos, mas, garanto, o próprio azeite faz um dos melhores trabalhos; queratina, que deve ser usada uma vez ao mês.

Cuidado que qualquer uso extremo de algum desses produtos, principalmente a queratina, irá fazer com que seu cabelo perca o brilho, continue parecendo sem vida, disforme e ressecado.

Nem sempre shampoos caros são necessários para manter o cabelo saudável. Claro que alguns deles, mais profissionais, podem possuir o tipo de química que irá deixar seu cabelo perfeito por mais tempo, ou mesmo manter a cor por um tempo mais longo. Entretanto, isso não é regra geral e muitas marcas mais comuns – como Seda, Elséve, Garnier – são boas o suficiente para deixar o cabelo bonito.

É importante lembrar que pintar o cabelo vai exigir tempo, cuidado e paciência. Caso contrário, não vai valer a pena o investimento em cores de cabelo para mudar o tom do seu próprio.


Por Pilar Diniz | SEO Master

+ 55 21 4126-1965
www.seomaster.com.br
Twitter: @seomasterbr



Arquivado em | , , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):