| em 27 setembro 2013

Saiba mais sobre os diferentes métodos de depilação

Com o avanço da tecnologia ao redor do mundo, atraindo consumidores de diferentes classes sociais para o mercado de consumo de variados serviços, as mulheres não poderiam deixar de buscar soluções para a necessária e temida depilação. Foi a partir deste argumento que os dermatologistas desenvolveram os métodos de depilação a laser e luz pulsada para substituir os recursos que conhecemos: a cera, a gilete, a pinça, o creme e a depiladora elétrica. Hoje, as técnicas ganharam a preferência das mulheres ao redor do mundo devido aos seus benefícios em comparação aos demais recursos. O melhor? não custa muito caro.

Enquanto todos os recursos que conhecemos ocasionam manchas, inflamações, coceiras, ardências ou encravamentos, além de serem extremamente dolorosos e não removerem os pelos pela raiz, a depilação a laser e a depilação com luz pulsada, através de aparelhos de estética, permitem arrancar os indesejados pelos de dentro do bulbo, que é uma glândula por onde os pelos percorrem antes de ir para a superfície da pele. Quando a região da pele está ressecada, o bulbo impede os pelos de crescerem, sendo esse o principal motivo pelo qual ocorrem os encravamentos.


As duas tecnologias são favoráveis para quem deseja realizar o sonho de passar anos longe dos recursos comuns, pois além de evitar os problemas citados acima, ainda melhora o brilho, a textura e a flacidez da pele, agindo também como eliminador de manchas e vasos sanguíneos. Você deve estar se perguntando neste momento se a depilação a laser e a depilação com luz pulsada são a mesma coisa e a resposta é não. Mas, ambas as técnicas consistem em um aparelho que emite uma luz contra a região da pele que se deseja eliminar os pelos sem queimar a superfície.

No caso da depilação a laser, a luz emitida contra a pele é bem mais intensa e ocasiona um pouco de dor por causa disso, sendo necessário dispensar produtos químicos após a sessão realizada ou até mesmo aplicar gelo, o que depende de pessoa para pessoa. Basta apenas um disparo direcionado para que as células germinativas que criam as raízes dos pelos se destruam. Só que para o corpo da mulher deixar de reconstruir estas células, é preciso realizar dez sessões de tratamento com pausas entre uma e outra. Os pelos só voltam a nascer após três ou quatro anos.

Já no caso da depilação com luz pulsada, o processo é igual e possui o mesmo objetivo, mas a luz emitida contra a pele é de baixa intensidade, sendo necessário direcionar o aparelho para diferentes pontos da região a ser depilada. Por causa da menor intensidade da luz, o tratamento é bem mais barato que o laser, mas é preciso manter as dez sessões de tratamento. O principal benefício desta técnica para as mulheres é que ela não dói absolutamente nada, ou seja, elas sentem apenas uma leve picada na pele.

Só que a tecnologia indolor é desfavorável ao ser comparada com o laser: a luz de baixa intensidade apenas debilita o bulbo. Sendo assim, a duração do tratamento é de um a dois anos. No caso do laser, a alta intensidade faz os pelos queimarem e caírem na hora, enquanto que na luz pulsada, os pelos levam alguns dias para saírem. Em ambos os casos, deve-se apenas reparar o crescimento com a gilete, sendo proibido o uso de ceras depilatórias. Já para clarear as manchas, é preciso usar um protetor solar na área tratada e se acostumar com as "casquinhas".

Por ser menos agressiva que o laser, a depilação com luz pulsada é recomendada para eliminar os pelos de regiões mais sensíveis, como, por exemplo, o rosto, a virilha, as costas e o pescoço. Essas informações já chegaram aos ouvidos dos homens, sendo que para muitos deles, já é algo comum tratar a barba e diminuir o excesso de pelos em outras regiões do corpo, como as costas e a barriga.

Por Pilar Diniz | SEO Master

+ 55 21 4126-1965
www.seomaster.com.br
Twitter: @seomasterbr



Arquivado em | , , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):