| em 17 outubro 2013

Dicas úteis para quem quer sair da casa dos pais

Entrar para a faculdade, mudar de cidade, ter uma nova rotina, essas são algumas das mudanças que um jovem adulto enfrenta quando ele não mora nos grandes centros urbanos. O jovem é lançado no mundo e é obrigado a aprender a “se virar” e, entre idas e vindas, acaba conseguindo se estabilizar. Mas e se esse momento não acontece? Como saber que está na hora de sair do conforto da casa dos pais e começar a dar seus próprios passos? E o que devemos saber quando resolvemos morar sozinho? Quanto custa? O que é preciso?


Para ajudar nesses questionamentos separamos algumas dicas que podem ser úteis e facilitar bastante esse momento de transição.


A decisão

Antes de decidir sair de casa, pense bem. É isso mesmo que você quer? Lembre-se que tomando essa decisão, você terá que fazer coisas como cozinhar e pagar contas. Pense bem se está preparado para isso. Depois de refletir a respeito, converse com algumas pessoas que já tomaram essa decisão e procure saber quais foram as principais dificuldades que eles enfrentaram e quais foram os caminhos que eles tomaram para resolver essas adversidades.


O orçamento

Ok, você já está certo de que quer se mudar, mas será que você tem dinheiro para isso? Antes de mais nada, faça um acompanhamento das despesas que você já possuiu agora. Se você já tiver o hábito de controlar a balança ganhei X gastei, você já está um passo a frente de muitas pessoas que resolvem morar sozinhas. Se você não tiver muita noção do preço das coisas, faça visitas a supermercados e procure anotar mais ou menos o preço de tudo que você gosta de comer e de produtos de higiene pessoal. Assim você irá ter uma boa noção do quanto vai gastar por mês. Observe também os valores que costumam ser pagos nas contas de água, luz e telefone da sua casa, assim você já vai tendo uma noção das contas também. Se você sentir que vai a grana vai ficar apertada, considere convidar um amigo para entrar nessa com você.


A casa

Essa é a parte mais difícil. Onde você vai morar? Bom, se você já ganha um salário razoável ou vem se planejamento a algum tempo, considere a possibilidade de comprar algo seu. Pesquise bem nas opções de financiamento imobiliário e o preço dos imóveis, pois, mesmo que fique um pouco mais caro, é sempre melhor pagar por algo que irá ser seu um dia. Mas se você é daqueles mais impulsivos e acabou de tomar a decisão de se mudar, uma opção boa é procurar por apartamentos de um quarto e alugar. Dividir um com alguém pode ser uma opção boa também, pois vocês irão conseguir mais espaço e com um preço mais baixo. Novamente aqui, procurar por opiniões de quem já passou por isso, pode facilitar bastante a sua procura. E lembre-se sempre de pedir para um advogado revisar seu contrato de aluguel para você não cair em alguma armadilha.


A mudança

Depois que você já estiver com tudo certinho em relação ao local aonde você vai morar, é hora de pensar como você vai fazer a mudança. Teoricamente, nada que está dentro do seu quarto é seu, a menos que você já tenha comprado novos móveis. Se a sua família não estiver muito satisfeita com a sua mudança, é possível que a sua mãe diga que você não pode levar sua cama ou cômoda preferida. Uma dica nessa hora é negociar. Tente escolher entre o que vale a pena comprar novo e aqueles itens aos quais você é mais apegado. Lembre-se que se mudar, também é desapegar. Quantos as coisas nova que você irá precisar comprar, como fogão, geladeira e sofá, tenha sempre em mente que esses itens são duráveis, então vale a pena pesquisar quais são as melhores marcas e quais vantagens determinados aparelhos te oferecem.


Aproveitando a vida nova

Bom agora é só ficar atento aos novos desafios da sua vida de adulto e seguir em frente. Não se esqueça de manter a sua casa nova organizada e de pagar as suas contas em dia. Afinal, você não vai querer viver numa bagunça completa, né, ou vai?


Por Manoela Braga | Guest post



Arquivado em | , .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):