| em 05 fevereiro 2015

Como ensinar com inteligência




Sim, é possível fazer seu filho obedecer a você sem palmada ou castigo

Para que a criança obedeça, não é preciso puni-la com castigos rigorosos e, menos ainda, dar palmadas. Muitas são rebeldes porque querem chamar a atenção. Outras, simplesmente têm personalidade forte. Em qualquer caso, é preciso paciência. “É importante construir uma relação de confiança, porque isso facilita o diálogo. Quando as recusas ocorrem, faça um trato com a criança em vez de castiga-la”, diz Nívea Fabrício, psicóloga e psicopedagoga do Colégio Graphein, de São Paulo. Esse trato é um acordo em que o adulto explica seus motivos e deixa claro que a desobediência terá um preço. “Não ameace seu filho. Isso é uma forma pesada de imposição de regras”, orienta a especialista. Veja, ao lado, as melhores (e as piores) atitudes para dar disciplina aos filhos.


O que é correto

• Ser um bom modelo para seu filho.

• Ensinar que para tudo na vida existem limites e, quando você desrespeita isso, há consequências.

• Dizer ,”por favor,” e “obrigada”. Elogiar sempre que a criança fizer algo certo.

• Agir sem crueldade na hora de determinar algum tipo de punição. Um ótimo recurso é pedir ao seu filho que fique por um tempo no quarto, pensando no que fez. Isso é diferente do castigo pelo castigo, em que não há uma proposta construtiva.

• Em vez de gritar ou bater, privar a criança de algo de que ela gosta por um tempo determinado, como não jogar videogame no fim de semana.




O que é errado

• Ceder toda vez que seu filho fizer birra para conseguir o que quer (ou seja, é preciso saber dizer “não”).

• Chamar a criança de “peste” ou de qualquer outro tratamento ofensivo. Respeite para ser respeitada.

• Afirmar que irá tomar certa atitude caso seu filho insista em desobedecer e, depois, não cumprir o prometido. Antes de determinar qual será a punição, pense se terá coragem de ir até o fim. Caso contrário, você ficará desacreditada com essas ameaças.

• Dizer “não” o tempo todo. Pais que negam tudo perdem força. Analise a situação antes de decidir se deve ou não permitir que seu filho faça algo.


Esta reportagem faz parte do projeto Educar para Crescer.

Fonte: Revista Ana Maria, Nº 876



Arquivado em | .





Receba novas postagens por e-mail


ATENÇÃO! - As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Comentário(s):